Insinuações soltas

Não vale contar o passado envolvido por nostalgias e sentimentos perdidos

O tempo se foi, retorna, possui outras cores, reinventa outras dores e as

histórias quase adormecem nos divãs cafonas dos psicanalistas.

Há transformações que vendem o futuro e apagam memórias.

como se cada aventura decretasse a morte e o juízo final.

Os anjos falam dos deuses distantes de milagres e vizinhos de Prometeu.

Na conversa da vida cabe desejo, vingança, desistência, brincadeira.

Não encerre o texto, como se a imaginação estivesse vazia,

as inutilidades nunca se acumulam e arquitetam depósito de lixos.

Meu esquecimento tem o perfume do mundo, misturado e aventureiro,

pergunto se existe perdição para quem quer ser cigano.

Apagada a luz do horizonte, silêncio toca na nudez e eu me escondo.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

1 Comment »

 
  • Como o tempo é um castelo
    Sem escadas nem degraus
    Nem mesmo os maniqueístas
    Diferem os bons dos maus
    Como ciganos errantes
    Perdidos no próprio caos
    (Nogueira Netto)

 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>