Memória e vida

O jogo da memória tem regras que não cessam de ser reinventadas.

A história é o reino do inacabado, não adianta segurar o tempo.

nem tampouco fixar valores com tradições eternas.

As partidas acontecem, os retornos são dúvidas,

a vida não adormece com a saudade, mas se multiplica.

Cada andança é busca que não tem forma definida,

há enganos que revelam a força da inquietude.

Colocar o ponto final no desejo, quebra o movimento do ânimo,

Quem determina a forma do apocalipse se amedronta e foge.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>