Metafísicas desarrumadas

O ser ou não ser está longe do ensaio da metafísica vulgar.

o ser e não se toca na intensidade da incompletude ambígua.

A reflexão não escuta o malabarismo dos desejos e o silêncio

é a matemática de um cosmo que antecede a visão do paraíso.

Não meça, não responta, não invente a escrita que não cria mundos.

O corpo é cigano e o sangue é mistério do enigma veloz e suicida,

se localize no cais que desenhou as estrelas e fugiu para o sempre.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>