Não date a história

Querer que exista uma ordem na história, com calendário determinado, sem surpresas, é um risco. A questão do controle nos persegue. Inventamos épocas, salvadores e pensamos até num juízo final. Mas o cotidiano não se mostra sincronizado. O acaso possui um força que derruba quem se sente imperador do mundo. O amanhã interrompe sequências, os tropeços acontecem e noites avançam pelos dias.

As magias se arquitetam, as tecnologias tentam erguer celebrações. Alguns festejam a existência de messias, refazem expectativas e entregam a história a gênios políticos.Submetem-se e se sentem pequenos. Não conseguem conversar com a complexidade e se limitam a datar cada acontecimento como uma saída. Não observam as escolhas inesperadas e as fantasias fabricadas para diminuir a coragem e multiplicar as vitrines.

Contar e viver a história é uma longa travessia.Fechá-la num labirinto é desmontar os mitos que não devem ser afastados das nossas ousadias. Por que não perguntar sobre o significado de Narciso, de Prometeu, de Édipo? A leitura da mundo nunca se resume ao linear, nem a história uma numeração que se repete num cartório que não sai de uma esquina obscura.

O fôlego para enfrentar o desencontro é que revoluciona a história. Não é fácil. Muitos preferem adormecer em berço esplêndido, ser defensores da servidão voluntária. Escrever a história é uma sinuosidade. Imagine como Picasso se envolveu com as cores, Guimarães se encantou com o sertão. Quem se arruma ,na neutralidade, perde sua narrativa e tomba na mediocridade. Deixe que os pássaros fujam das gaiolas e os deuses esperem milagres que nunca existirão.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>