Não desconte a sua história, abandone seu pecado

 

Resultado de imagem para sherazade

Se é preciso contar sua história, não se envergonhe, Há  também maneiras de se esconder e fugir do que acontece. A história está cercada de mistérios, Isso não justifica mistificações, nem aproveitamento de tecnologias de sedução. O poder não se solta da coerção. A violência está globalizada. No entanto, a história não constrói um destino, ela estabelece possibilidades. Estimular a reflexão é,sobretudo, observar que as mudanças acontecem, porque a vida não está programada para uma única travessia. Assista ao filme Blade Runner e converse com seus cenários e  replicantes. Não deixe de admirar Rachel.

Muitas ficções científicas anunciaram que haveria um controle absoluto, uma mandamento único imposto por tiranias tecnológicas. Não estamos longe disso. Se a mudez prevalece, se o contraponto não acompanhar a história, seu movimento se desfaz. Conservar nem sempre é negativo. Há, contudo, repetições estranhas e abusivas, falecimentos. A escravidão não se desmanchou, a servidão voluntária atrai, o excesso de conforto cativa. A história contada não é um espelho, possui suas linhas tortas e não é um fechamento para se manter o diálogo.

A sociedade ferve quando não usa apenas monossílabos ou códigos comuns. Quando a criatividade fotografa a forma e despreza o conteúdo, algo se intimida, se minimiza. A estetização do mundo-capital é uma persuasão que produz trocas impossíveis. Olhar o outro, vê-lo exercitar a transcendência não significa a consolidação da inveja. O outro estende a liberdade. Basta duvidar do limite, não escrever a mesma regra e se lembrar de Scherezade, A fábula viaja pela história, atravessando os sonhos que ousam viajar em tapetes mágicos.

Localize sua verdade e sua mentira. Ninguém se conhece ou se esgota definitivamente. As travessuras da histórias se encontram no escorregão do fingimento. Contar é consagrar um pacto. sair pelo mundo, atiçar o passado, se olhar na multiplicidade. Italo Calvino redesenhou a literatura, quando escreveu Se um viajante numa noite de inverno. Kafka desmascarou seu tempo, quando passeou pela animalidade. Garcia Marquéz sintetizou a força da convivência, quando trouxe Macondo, cidade da solidão. Cada um não estava blefando com a vida, mas mostrado os bordados que cabem na história. Risque o rosto com o batom vermelho do pecado.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>