Não se afogue

Cada tempo traz suas travessuras e malabarismos.

A vida passa sem saber que a estrada é longa e curva.

Há pântanos que não revelam seus perigos e afogam as estrela.

Não ame a certeza, tampouco crie seu discurso do método.

Voe com o pássaro que viaja no circo rindo com o palhaço.

Esgote as amarguras. desenhe seus renascimentos perdidos.

Deixe que o apocalipse se envolva com suas lágrimas vadias.

A história não conta com mil uma noites, dorme no tempo silenciosamente.

Um dia, o sol conhecerá todas a luzes, sem jamais abandonar o azul.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>