Não se esconda

Não acredite na história que tem ponto final,

fique desconfiado do fixo e do programado.

O perdão é uma fuga ou uma covardia,

quando representa o cinismo dos oportunistas.

Aproxime sinais, balance verdades, sinta corpos.

A vida é o imediato, o que bate na porta,

a roupa estendida no varal na madrugada fria,

Deixe o malabarismo do encanto criar seu labirinto,

o mundo inexiste sem a raiva dos demônios e as

agonias dos anjos atormentados e fugidios.

Não se esconda do espelho que desloca sua imagem,

e profana o tempo dos deuses melancólicos,

Não diga amém a quem se definiu no sacrifício.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>