Nas trilhas dos desperdícios

 

Há desperdícios no que foi perdido e estranhas fantasias nas seduções repentinas.

Não se  firmam controles, nem se rascunha futuros com convicções determinadas.

Na fragmentação das histórias, os esconderijos se acumulam, as verdades se distanciam.

Não pense que existe a última narrativa, nem que somos incompletos como sonhos esquecidos.

Tudo pode ser dito com uma frase, a negação do encontro é o que fortalecer o medo,

deixe que as questões abracem para sempre as inquietudes no corpo que não se desfigura.

Nas configurações das trilhas, os abismos parecem desafios que aprofundam descasos,

existem palavras e magias que desfazem as sorte e os azares, carregando fantasmas e desenhando anjos.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>