O amor é líquido ou está desamparado?

 

Resultado de imagem para amor

 

São muitas as discussões sobre o sentido da vida. Difícil é fixá-lo e sentir as transparências, Será que temos um destino? Prefiro afirmar que temos história, não goste de fatalidades e cultivar tempos que aprisionam. Sei que a felicidade não é plena, talvez esteja num paraíso imaginado, porém é saudável não mergulharmos em ansiedades perenes. Tudo está sem rumo. isso não é escândalo. Buscam-se Messias, salvações, as farmácias estão cheias. Há dissonâncias criadoras de intrigas e de invejas. Se o mundo vele pela competição, estamos numa caça a uma solidariedade inexistente.

Não é sem razão que a sociedade adoece de forma avassaladora. A tarja preta tem um lugar especial. O amor é visto como algo que se perdeu ou que é parceiro de efêmero. Portanto, sobram vazios, faltam afetos. Se é o efêmero que domina, como aprofundar os sentimentos? A conversa é rápida, as redes sociais ditam as normas, as pessoas nutrem dores escondidas. Há uma falta de assunto, desde que não se façam negócios. A grana impera, os interesses interferem até em papos amistosos ou aparentemente amistosos.

Muita gente reclama. O olhar não é mais significativo? O que permanece é o medo e a solidão? Como se define a sexualidade? As dúvidas contaminam, porque a sensação de desemparo persiste. É visível a dificuldade de se tocar, a ampla violência que corrompe as relações. O mundo desconhece  o mundo e teorias se localizam nos debates acadêmicos, nem sempre decifram os desencontros da vida. Fala-se em educação à distância, em virtualidades, em palavras mesquinhas, em poemas oportunistas.

A sociedade , que não cura suas feridas, pode lamentar as crises contantes são ameaças. Se nada se consolida e as reflexões fogem , o amor fica confuso e se desfaz. Na sociedade da moda, tudo provoca equívocos. É preciso está atento, não temer as fragilidades, afinal as lacunas exigem ânimo para preenchê-las. Ter  tempos para contemplar, ampliar o encanto, não estimular o pragmatismo. O amor não é o fim da história, nem a porta aberta para salvação. Ela apenas avisa que outro divide, se aconchega, visita nosso corpo.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

1 Comment »

 
  • Adalva disse:

    O amor é uma porta para enxergarmos e nos sensibilizar para com o outro. Os afetos estão inseridos mas não afloram. A doença do consumo é uma forma de “opressão” com suas vitrines facilitando o jogo do capital. Muito lindo o seu texto professor. Vc consegue nos fazer refletir sobre tudo isso. Um grande abraço

 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>