O azul e o mundo

https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/originals/0a/fe/b8/0afeb818a3d50b3bf7524b720191d666.jpg

 

As cores do mundo não se acomodam em formas definidas,

há uma multiplicidade de dizeres que celebram geometrias estranhas.

O artista traduz a vida que não conhece sem observar as suas magias.

Não imagine que Picasso refez todos os desenhos, nem desperdiçou sua ansiedade,

mas  retomou cada traço  como um cristal precioso e desconhecido.

A história se inventa com palavras que não cessam de pedir ânimo,

a vida é uma pedaço de universo que nega seus deuses e seus paraísos.

O poema é síntese de um tempo sem futuro marcado, com calendários confusos,

voando como pássaro que nunca foi aprisionado, com fôlego que que corta a amargura.

O azul  abraça a possibilidade que não apaga a história e estica-se pela travessia.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>