O corpo do universo

O corpo cai como uma estrela perdida na dor do universo.

As mortes anunciadas decretam o fim de  alguma coisa

solta nas emboscadas dos cinismos medonhos e traiçoeiros.

Há um desprezo pela história vivida, pela tradição arruinada,

o mundo se reparte em incertezas cotidianas e mesquinhas.

Trago-me como uma pergunta sem resposta definida,

sem acreditar que os pesadelos criam fantasmas eternos.

Não deixe seu grito parado no ar, nem desista do caminho de pedras,

há sempre ruídos que acordam e contemplam as luzes permanentes.

Desconfie da eternidade feita das fantasias dos deuses,

guarde seu último sonho na palavra nua e insistente..

Share

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>