O deus pecador

Encerre o tempo da mentira vadia e cínica.

Destrave porta que se fechou para os amores

e caminhe para a janela do quarto escuro.

Não acredite que a vida se esgota,

nem confie no visível da casa escura.

Há sempre algo escondido, tropego,

na mitologia que veste o nu do cotidiano.

Os fantasmas andam sem ritmos e riem nas escadas,

existe um deus pecador e brincalhão esperando o juízo final.

Mas é no toque da palavra que o ritmo da vida se define e

o horizonte traça sua geometria misteriosa.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>