O dia santo: o domingo, Charles Chaplin e o futebol

Charles Chaplin é o cinema ou o cinema é Charles Chaplin? Mera negociação entre as palavras ou argumentos soltos e provocativos? Chaplin tem o perfume das almas eternas. Nunca vai deixar de encantar. Toda nostalgia, em seu nome, deve ser exercida, sem medo de cometer pecados capitais. Os sentimentos encontram , nos seus personagens, todas as ambiguidades do humano. Ternura, vingança, descuido, invenção, descontrole, tristeza fazem parte dos filmes de Chaplin, com uma graça que diverte os arcanjos.

A criatividade é um convite a flutuação da vida. Dizem que o criador de todas as coisas descansou no domingo. Seu trabalho intenso o fez mergulhar numa reflexão tão profunda que lhe arrancou as forças. Domingo virou um dia especial, iluminado por todas as sortes, arranhado por raros azares. Muita lenda para tantas vidas inquietas em busca de segredos. O tempo passou e o domingo perdeu sua aura. Não é só devaneio ou diversão.

O santo dia transformou-se. Hoje, sobra pouco espaço para o silêncio ou para o vadio. As turbulências não estão, apenas, nas máquinas, mas também nas chamadas praças de alimentação ou nas liquidações repentinas dos grandes maganizes. O sagrado não sabe qual o caminho mais seguro. Domingo é dia de desencontros, de comunhões impossíveis, de sinos quebrados, sem musicalidade, diantes dos ruídos dos carros de som. As promessas estão na síntese da nota de compras.Os templos ocupam as salas frias dos shoppings centers.

O futebol tinha, antes, seus dias escolhidos. O domingo era fundamental, para que um clássico fosse jogado, com toda elegância, inclusive das torcidas que usavam paletós e  gravatas, chapéus e vestidos longos. O jogo, agora, é outro. Consta nos horários nobres das tvs. Não precisa de lugares incomuns. O futebol se faz presente até nas primeiras horas das manhãs. Dependendo de onde a partida está sendo realizada, visita as madrugadas dos insones, sem cerimônias.

O mundo gira muito mais do qualquer roda-gigante eletrônica. Chaplin ficaria perplexo diante de tantas novidades. O seu circo já partiu com toda sua trupe. O público veste outras fantasias, prefere as delícias dos sacos de pipoca e os goles dos refrigerantes adocicados. Nem olham para tela, entretidos com os sabores fabricados.

E no campo da bola ? Os trajes são curtos, sandálias de todas as cores, gritos de guerra com melodias sofisticadas, gravadas em cds. O domingo profano atinge também os rituais das fugas e das travessuras. As torcidas se aquecem, em bares, usam máscaras, desenham figuras em papelões, esperando o foco da câmeras poderosas. A sociedade desfralda imagens, com as mais diferentes cores e intenções.

Gratuidades, desejos, desperdícios. Chega de especulações ! A metafísica também tem ressacas, o corpo estica-se para disfarçar a moleza. Hoje é domingo e não me escondo das tradições. Dia santo é dia santo. Viva a luz solene do futebol, com sede de gols e malabarismos! Cabe Chaplin no meu sofá vermelho, parceiro de tantas vitórias. A solidariedade é o cristal de cada instante, aconchega e desfaz as melancolias.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

8 Comments »

 
  • Perfume disse:

    The first Voodoo Queen in New Orleans was Saint DeDe, from Santo Domingo who bought her way to freedom in New Orleans. Perfume

  • Grato pela visita.
    antonio paulo

  • A.C. disse:

    Muito bom!Obrigada pela oportunidade que você nos da de poder desfrutar de seua textos.

  • Cláudia

    Grato pela leitura e é sempre bom repartir. A solidariedade ajuda o mundo a se manter e gosto de através do que faço me relacionar bem. Apareça.
    abraço
    antonio paulo

  • Paula disse:

    Meu Deus!!!! que fim de semana rico!!! uma aula maravilhosa de filosofia na qual ouvi ,maravilhada, uma excelente explanacao sobre etica, moral, estetica, virtudes… e para fechar com chave de ouro sou enriquecida com um texto maravilhoso que fala sobre dois temas que , de certa forma , se somam : Chaplin e futebol! Para se sincera nao entendo muito de futebol, mas adoro ler um bom texto… muito obrigada por deixar meu domingo mais colorido
    Um abraco

  • Paula

    Grato pela leitura e as palavras que emocionaram. Essa é nossa intenção: mostrar como as relações, na sua diversidade, estão interligadas, com o cuidado de escrever um bom texto. O futebol é um ponto importante, às vezes, mais presente, mas a busca é por um diálogo entre os saberes e as experiências. O mundo é muita coisa.
    abraço e visite sempre
    antonio paulo rezende

  • Carolina disse:

    Oi Antônio Paulo,
    Sobre o domingo, muito bom.
    Gosto de acompanhar seu blog, é sempre uma oportunidade terna de ser convidada a pensar a vida.

    um forte abraço,

    Lembrei de uma poesia da Adélia Prado, “Para comer depois”. Deixo o link: http://palavrassimpaticas.wordpress.com/2010/06/27/para-comer-depois/

  • Carol

    Você é sempre uma visita muito querida. É bom saber que você pode chegar perto. O afeto é uma dádiva.
    abraço
    antonio paulo

 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>