O dúbio caminho do sucesso

 

Não fica perdido o apelo que ouvimos, pequenos, de que trilhemos o caminho do sucesso. É preciso ser gigante para enfrentar as competições que nos cercam, dizem os donos de sabedorias. O capitalismo pede movimento de grana ágil e astúcia para sair de labirintos. É uma regra: busque se promover e se mostrar capaz. Já ouvi, muitas vezes, que vale a sutileza manhosa nas manobras da vida. A corrida é grande e a velocidade não tem limites. A fama atrai, fabrica discursos, inventa ambições desmedidas. O eco das escolhas mal feitas destrói existências, desenha demônios nos negócios. Os ruídos contraditórios confundem e acendem debates.

Nem tudo garante a subida da ladeira. As quedas acontecem, é importante não se achar imbatível. As surpresas ampliam seus espaços. A sociedade estimula concorrências, brinca com as imagens, lança no mercado maldições e abonos. Difícil é esclarecer e festejar transparências. Na política, as frustrações visitam lugares que pareciam inexpugnáveis e as descrenças aumentam aceleradamente. Há controles, mas o jogo é forte com máscaras nunca destruídas. Ninguém está livre de um voo desfigurado, de uma denúncia repentina. Como afastar a dubiedade num mundo tão complexo e tenso?

A bolsa de valores fotografa instabilidades. Os milhões se evaporam ou a riqueza se espalha envolvida pela esperteza.Há quem conheça as idas e vindas das manipulações e aposte nas profecias do mercado. É confuso entrar no circo, onde os acrobatas escondem habilidades e deixam o público desconfiado. Contar as histórias das ações é um risco. As verdades têm pernas curtas e as incertezas não fogem. Quem consegue sintetizar o tamanho das imagens das felicidades? Os espelhos não estão gastos?A moda traz fanatismos. Espera-se que os deuses desfilem, sem o peso do pecado original.

Quando os fracassos surgem, muita gente some e descobre que as vacilações diminuem o fôlego. Não se pode negar que se  industrializam comportamentos e modelos. Os exemplos são amplos e discutíveis. Sarney viveu a política com uma eternidade de faraó; Anderson Silva tropeça na própria sorte ou enganação dos esquemas; Xuxa se foi da Globo depois de séculos; as religiões usam propagandas para firmar a fé dos seus adeptos. As estradas curvas garantem que a vida passa e o perigo sempre está próximo. O sucesso é uma armadilha, desde a história de Adão e Eva.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

2 Comments »

 
  • Antonio Alves Bertino disse:

    A FARSA DO LUCRO FÁCIL

    O Grande Capital conhece e não reconhece às regras. O aparato economicista dos grandes grupos econômicos e de países artificialmente criados como indústrias multinacionais de ouro negro e outros primos de informação de alta tecnologia não sofrem perdas desastrosas, perdem migalhas. Os pequenos investidores ou mesmo investidores individuais – sem preconceito – aqueles que não acreditam em um investimento de varejo das grandes redes que alimentam a velha e nova massa de consumidores, preferem fazer parte de uma pirâmide cheia de bolhas enfeitadas com discursos nacionais futurísticos. Nunca devemos esquecer o que é um discurso de evento, conjuntura e estrutura, nem tão pouco da mídia. É preciso estar acordado quando “ela” pestanejar. Porque quando “ela” acordar nós estaremos de mãos vazias… As relações de lucro rápido não duram nem pouco tempo, imaginem para sempre? Aí o nosso click e também de “outros” não funcionam: a falta de informação rápida. Quem mantém o que tem em tempos difíceis já é uma vitória. No entanto, ousar é preciso. É preciso ser bom no ruim. Quantas empresas no mundo estão aparentando um “Chester” para atrair investidores e com os seus balanços burlados. Não existem pedras no meio do caminho do Grande Capital, eles a evaporam com suas INDÚSTRIAS DE GUERRA.

  • Bertino
    Gostei da reflexão.
    abs
    antonio

 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>