O humanismo se corrói?

O homem é um animal complexo. Muitas teorias tentam defini-lo. Algumas não conseguem sobreviver. E as utopias cheias de salvações e deuses poderosos? Organizam-se relações sociais que prometem esticar a riqueza e dividi-la de forma equilibrada. Vale a farsa. O jogo de poderes termina destroçando sonhos, quebrando ecologias, afirmando autoritarismos. As frustrações se multiplicam, mesmo que as tecnologias inquietem e provoquem finais de mundo felizes ou se coloquem em outro extremo com a ampliação da violência e dos golpes políticos.

Não há como se fugir do desejo de arquitetar desenhos suaves.Mas os territórios estão minados. Há bombas, guerras contínuas, preconceitos renovados, epidemias massacrantes. O iluminismo não vingou. As revoluções socialistas não dialogaram com se esperava com uma ordem solidária. As práticas fascistas solidificar estados policiais e estimulam intrigas. As famosas polarizações expandem intolerâncias. A sociedade adoece, sente o penso da fragmentação e o hálito faminto dos refugiados. As tensões não se espalham apenas nas cidades. Elas dispensam fronteiras e poluem as atmosferas mais ingênuas.

Os vulcões sociais são muitos. Na França, se luta para preservar conquistas sociais. Que memória ainda permanece da revolução francesa? Quem se lembraria de Voltaire e de Rousseau ? No Brasil, se retomam elogios às arrogâncias passadas e há quem elogia a permanência da escravidão. Existem dissonâncias globalizadas que entristecem os otimistas. Os fantasmas de Hitler, Pinochet, Franco passeiam pelas avenidas com disfarces sofisticados. Diminuem-se as brechas para buscar a coragem e derrubar os apologistas do terrorismo. Sente-se uma apatia que se infiltra nos corações e mentes consolidando síndromes de pânico e depressões radicais.

É preciso sobreviver. Se há outros mundo, não sei. Se o homem é um animal racional, parceiro de boas companhias, como explicar raivas, ressentimentos, desgovernos tão avassaladores? Não faltam reflexões e aparecem messianismos. Sobram dúvidas, pois as luzes se misturam com as sombras. Nem tudo está solidificado nas armadilhas do pessimismo. Por que não observar que as reinvenções fervem nas ilusões e podem refazer outros caminhos? Cuidar das fragilidades e não sucumbir ao apocalipse são formas de apagar as frustrações que incomodam. Lá fora, o mundo corre e as palavras mudam de significados.Talvez, a sensibilidade nos abrace com firmeza.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

2 Comments »

 
 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>