O incêndio das palavras

Não conte o que neutraliza a dor e valoriza a violência,

Corte a história narrada pela fuga do cinismo e do ódio

renasça, reinventando o tempo que fortalece a utopia.

Não deixe o sonho se apagar nas mentiras das milícias traficantes

surja no azul com as palavras que asseguram o encanto e

não desperdice a coragem, tampouco morra no deserto da apatia.

Cada dia se aproxima do fim da luz que acende a noite.

Despreze quem se amarra nas vitrines brilhantes e vazias

e descanse a ilusão que fez dançar todos os corpos do universo.

Estrague a vida enlouquecida pela mercadoria anônima e fugaz.

Desenhe sua pintura, componha sua sinfonia, firme a rebeldia

e voe com o incêndio que despertou o poema e a magia para o infinito..

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>