O inesperado da vida

Não confunda o sonho com a permanência da vida.

O sonho pode ser um fantasmo perdido ou

uma desilusão disfarçada por uma perda cruel.

Não meça a vida, nem escolha caminhos retos,

a verdade é curva e as pedras não se foram do  mundo.

Cada um conta sua história sem saber o futuro,

com lembrança e nostalgias sem fim, lapidando palavras.

Não configure a certeza, nem assuste o pesadelo,

a vida não tem forma acabada, flutua como um pássaro,

desenha limites e foge para fantasias inesperadas.

Deixe o desespero cair no abismo, sem lágrimas, sem absolutos,

no meio das sombras que acolhem a leveza das luzes.

Share

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>