O Milan contrata Robinho : a chance da redenção

A vida de um craque tem variações vertiginosas. Não adianta querer encená-la com regras fixas. Há sucessos inquestionáveis, frustrações desesperadoras, desistências inesparadas. O percurso não é reto, as curvas não cessam de incomodar. O futebol é lugar de espetáculo. Contagiante. Quebra a monotonia. Faz ponte com transcendências da alegria e do voo solto dos trapézios.

Robinho apareceu e logo a lembrança de Pelé se iluminou. Sua pedaladas desmontavam defesas, tumultuavam as cabeças de seus marcadores. Estava nos Santos, fazendo parte de uma geração promissora. Criou expectativas. Ocupou manchetes. Seus gols eram repetidos exaustivamentes nas tvs. Seriam os meninos da Vila predestinados, alguns perguntavam? E lá se vai Robinho para a vitrine de luxo internacional.

O mercado da bola não dorme. O Real Madrid moveu seus 30 milhões de dólares. Sonha alto. Localizou um estrela e desejou aumentar o seu brilho. Robinho tinha singularidades. Não expressava o comum, mas os tempos de graça dos grandes jogadores. Rumou para Europa, com certezas e ambições definidas. Aconteceu a convocação, para seleção brasileira, que o tornava mais popular. A vida se ornamentava, com cenários gigantes.

Há tempos de bolas redondas e bolas quadradas. O craque não emplacou no time espanhol. Não houve uma continuidade. As decepções e as críticas apontavam falta de motivação e mesmo deslumbramento com a fortuna alcançada.  Momentos cheios de intrigas e invejas. Observou-se uma queda na produção do craque. Configurou-se uma penumbra. A dúvida terminou  silenciando todos. Os sábios recolheram suas profecias.

Robinho resolveu sair do Real.  O sufoco o atormentava. Seguiu para o futebol inglês, magoado e sem revelar, no entanto, o cerne das complicações. Sua passagem pelo Manchester City também não  repercutiu o planejado. Sempre, a incógnita persistente, de uma matemática que nem Descartes resolveria . A solução foi revisitar o Santos, com o objetivo de ir para a Copa de 2010.

Encontrou-se com Neymar e Ganso. Trouxe animação e voltou ao palco. Na África do Sul, o desandar foi geral. Robinho pensava ser campeão, costurava ligações discutíveis com o comandante Dunga. O final não alimentou boas esperanças. Restava tentar outros espaços. O talento não podia secar. A sinuosidade da vida não é uma castigo perpétuo.

A notícia da sua contratação  pelo Milan acordou seu futuro. Será bem recebido por Ronaldo e Pato. Os brasileiros, em foco, provocam a imaginação dos seus admiradores e dos malabaristas. Quem sabe um ataque nunca visto nos tempos mais recentes? Robinho redimido, sorrindo, pedalando. A retomada sacode o coração. Reinventa.

Vamos festejar. O Santos se sentiu , duplamente, gratificado. Recebeu da Fifa R$ 2,64 milhões. A entidade soberana premia os clubes que formam craques. Uma notícia com um sabor especial. Coincidentemente, Diego e Robinho foram negociados e ,dentro das normas estabelecidas, o clube formador merece uma recompensa. Cabe ao jogadores confirmarem suas trajetórias, romperem com o marasmo e enfeitiçarem os estádios europeus. Nós agradecemos, com entusiasmo.

 

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

6 Comments »

 
  • marcio lucena disse:

    Viva a crônica esportiva de teor filosófico!
    Viva o olhar do cronista que enxerga o curvo, as indeterminações, as sutilezas!
    É o encontro do dionisíaco com o apolíneo?

    abraço
    marcio lucena

  • Márcio

    Tudo merece uma reflexão. A vida se encontra cheia de mistérios e temos que procurar os caminhos.
    Gostei das belas imagens.
    abs
    antonio

  • patricia beltrao disse:

    Retomar, reinventar…
    Teu texto me lembrou que é sempre possivel fazer de outra forma, ver com outros olhos, e esta capacidade é a essência do ser humano.

    Abraço e parabéns pelo texto.

    Patrícia.

  • aluno disse:

    cabe a junção de uma análise heideggeliana..
    seria Robinho, o exemplo da angústia?
    porque o brilho do crack não acordou diante dos luxuosos gramados europeus?
    viva a cronica esportiva de teor filosófico!

    belo texto!

    agradeço ao meu professor Márcio, por ter me apresentado o site.

    grande abraço!

  • Thomaz

    Ninguém consegue captar as tantas confusões que derrubam esses craques. Sucesso imediato? Talvez.
    abs e grato
    antonio paulo

  • Patrícia

    Sempre gostei de trabalhar as palavras. É um velho hábito. Há magia quando elas saem com afeto.
    abs e grato
    antonio paulo

 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>