O mundos das palavras estendidas

Cortar o mundo em pedaços

e aceitar a impermanência das loucuras

transformam as palavras em argilas fundantes.

No canto dos deuses a criação toma o lugar

do sonho preguiçoso e acelera a imaginação.

Quem disfarça a magia, morre na racionalidade mesquinha.

As formas da vida são aconchegos transitórios

sempre ameaçadas pelos anúncios de juízo final.

Não há como silenciar, nem punir o ruído anônimo,

o trapézio do artista tem a cor do delírio do poeta.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>