Julgar: o poder opressor da notícia veloz

 

Vivemos contando a nossa vida e falando da vida dos outros. Há inúmeros meios de comunicação. A tecnologia abriu espaço para velocidade. Todos querem novidades. Sentem-se motivados pelas fofocas gerais. Há uma certa perversão em escutar insucessos, em curtir escândalos, em vibrar com tragédias alheias. A generosidade nunca existiu de maneira plena. Somos animais que gostam de emboscadas e cultivamos invejas. O crescimento das redes sociais trouxe outras intrigas. É saudável encontrar amigos, rever passados. Mas não faltam ansiedades, grupos vingativos, solidões destorcidas, desejos de fluir com fantasias obscuras. A complexidade é comum.

A crise política aguçada é pródiga em desenganos. A notícia vale grana, as imagens se reproduzem, as discussões se alimentam de delações. Estamos no fundo do poço. A ética entrou em estado de coma e até os juízes não merecem crédito. Mente-se com um cinismo exemplar. Observe Temer. Parece que não possui limites.Junta-se com outros também entusiasmados com o poder. Seja atento. As fisionomias dizem muitos dos projetos de cada um. Portanto, não se convença com os discursos. Há atitudes confusas e escandalosas. O cenário está repleto. Os valores se misturam conturbando sociabilidades e arruinando alegrias. Há muito pó nas brancuras artificiais.

Tudo agita. As festas juninas estão estilizadas. É mais uma  mercadoria para se lavar dinheiro, com espetáculos suntuosos num sociedade esfomeada. O forró tem carimbo e nota fiscal. As polêmicas alimentam o facebook. Muitos escorregam, navegam nos excessos. Os artistas são vistos como figuras públicas. Sofrem com assédios. Não deixam de cativar a imprensa ou se incomodar com suas coberturas. Fabio Assunção passou por um drama nada agradável. Não conseguiu completar a euforia da estreia do seu filme. Envolveu-se num situação limite, caiu nos braços da instabilidade, visitou o inferno, afundou no pântano dos dissabores. A vitrine do desespero é feroz. Despreza a lucidez. Os predadores não ficam apanas nas selvas. Atacam no asfalto molhado.

A divulgação do que aconteceu com Fábio foi desastrosa. Aproveitaram-se de tudo. Ele ficou preso, foi punido, arrastou olhares negativos, Dividiu e globalizou.O tumulto alterou julgamentos, crucificaram Fábio. Não se teve clareza do que, efetivamente, houve em Arcoverde, porém as condenações se ampliaram de forma amarga. Ele se desculpou, mostrou-se perplexo. A fama se inverteu, os inimigos aparecem, o dia vira noite. Não é algo inédito. Todos possuem suas extravagâncias, a sociedade não é ingênua. As polêmicas acendem a ambiguidade que rege a cultura. O céu nem sempre é azul. A sociedade não vai se cansar de jogar seus venenos. Eles são destrutivos. A cultura não é inimiga da crueldade. Ela vive de sobressaltos, com silêncios desconfiáveis.

Share

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>