O sonho e o tempo

no tempo que transforma cada desejo

há distâncias de retirantes anônimos

e fantasias remontadas por acaso

não julgue, nem se julgue, olhe e escute os outros

a terra gira, o tédio se ornamenta, o mendigo suplica

os medos permanecem atiçando o juízo final

nada diz a história que sumiu lentamente

a esperança voa com o sonho e o beija-flor

pinte de azul sua tristeza e vista a última roupa de Picasso

não chegue, parta sempre sentindo a paixão de uma estrela

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>