O vasto mundo do poeta

o sentimento do poeta é vasto e habita numa encruzilhada larga e soberana

seu território é vasto com pedras cortantes e cheia de cores desconhecidadas

seu tempo não desenha retas, deita-se em curvas, refaz gramáticas e letras

a vida não é uma esperteza vazia quando os labirintos se defazem

o poeta constrói as arquiteturas de todos e desafia como Prometeu

a imensidão de cada tempo é o sonho desadormecido e inquieto

não se conta com números que morrem com palhaços nus

o poeta desenha os segredos e adivinha a estreiteza de cada drama,

seu fingimento é a verdade perdida no abismo sem nome

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>