O vôlei ganha espaço e o espetáculo se multiplica

 

       

O vôlei faz sucesso. Já consegue seduzir os antes fanáticos pelo futebol. Consegue ganhar títulos seguidos e animar torcidas bem-comportadas. Seus caminhos são outros, perspectivas e formação profissional  com outras ambições. Cabe, como poucos, nos esquemas de transmissão das televisões especializadas. As paixões esportivas respondem aos sentimentos da época. Elas mudam, junto com os hábitos sociais e os financiamentos dos negócios promissores.

Um jogo rápido, como saltos de trapézios no ar, lances inesperados, com rara beleza e agilidade nos reflexos. O vôlei está nas praias, praças, ginásios. Entusiama. Surgem agremiações inspiradas em marcas famosas. Forma-se também uma vitrine luxuosa. Os ídolos possuem fãs delirantes. Gritos, cartazes, tatuagens. Com tanta adesão às aventuras do vôlei, com a vitórias enchendo os corações de alegria, os mais jovens sentem-se ligados aos saques e às cortadas.

As meninas da seleção nacional enfrentaram um campeonato mundial. A preparação foi longa e o otimismo era dominante. Afinal, a memória da conquista olímpica está acesa. O Brasil afirmou sua força, não respeitando a sabedoria dos outros adversários. Muito empenho, inteligência nas táticas e vibração na conquista de pontos. As meninas se garantiram na semifinal. A disputa, com as japonesas, foi majestosa. Ganhamos por 3×2, porém as russas mantiveram a hegemonia. Nada desanimador, a vida continua. 

O vôlei não é chamado, como o futebol, de o esporte das multidões. Possui  outras arquiteturas de lugar e de organização. Mexe muito, porém, com as batidas do coração e acelera a adrelina de forma veloz. A bola circula em construções geométricas atraentes e a concentração dos jogadores exige preparação cuidadosa. O fôlego e fogo do ânimo é um passo para arrancar conquistas. O mundo das comunicações se dá bem com as imagens do vôlei. Sua dimensão estética é privilegiada .

Os esportes mostram a importância das competições, para a sociedade contemporânea. Eles tem sua pedadogogia. Retratam os acertos e os desacertos do cotidiano. Por isso, os investimentos, nessa área, se estendem e se internacionalizam. Há fábricas de materiais esportivos, jornais, técnicos de formação refinada que vivem da expansão dos campeonatos em todas as regiões do mundo. Um mercado de trabalho que se articula bem com os projetos do capital.

O segredo é configurar os espetáculos, para os meios de comunição. Os estádios podem não estar repletos, porém os sofás acolhem torcedores, com seus refrigerantes e guloseimas das mais diversas. A era da industrialização teve suas repercussões. Hoje, as relações são mais sutis, feitas com a ajuda de máquinas planejadoras.  No futuro, veremos, talvez, partidas nervosas envolvendo computadores de alta tecnologia. A interatividade trará sensações, deslocamentos no tempo, aprendizado de códigos de ação desafiantes.

Até onde a autonomia de cada um será  preservada, é uma pergunta ? Os espelhos refazem suas molduras constantemente, como também as previsões sobre o que acontecerá com os poderes e seus donos. Antes valiam as terras com sua plantações e o trabalho contado nas jornada mais intensas. Hoje, o papéis e a imaginação se localizam na soberania dos negócios. Nossa mente, parece um intrigante classificado de jornais, com os mais estranhos anúncios.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>