Octavio Paz e a palavra

não canse a escrita com palavras sem sentimentos,

não formule códigos de destinos com a nudez de calendário burocrático,

consulte o poeta e se amplie nas metáforas encantadas e incertas,

escreva com a magia de Octavio que refaz o mundo e desafia os mitos,

não se amesquinhe nas teorias dos saberes planejados e acadêmicos,

prefira o silêncio sublime, o traço reinventando, a vida paciente,

cada dia é um dia, cada criação um desfazer da monotonia, a porta entreaberta ,

há muitos labirintos na esquina das moradias sem donos e no colo de quem não ruiu no medo do desengano.

na astúcia de Paz um desenho que estica a escrita e se salva do desprezo dos preguiçosos e soberbos.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>