Os dizeres do contemporâneo

As agitações traduzem movimentos que não se conciliam com seu tempo,

elas tocam o corpo, diluem as inquietudes, chamam as profecias desconhecidas.

Não há espaços perdidos, nem tampouco mitos desprezados pelas dúvidas.

A memória lembra pedaços da vida, retoma histórias, carrega o sentimento desfeito.

Nas incompletudes tardias restam vestígios do que foi vivido e encarcerado,

os segredos apenas trocam as palavras, sem anular os significados.

Nas agitações do contemporâneo moram respostas inacabados e

sonhos de destinos inexistentes e fracassados no mistério das origens.

A gramática da vida não elege regras, mas traça figuras recompostas na agonia da pressa.

(PS: A postagem de um novo texto será feita no dia 24 de 7)

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

2 Comments »

 
  • Elânia Nunes disse:

    Mesmo nas agitações do contemporâneo devemos dar espaço para reflexões sobre a complexidade da vida moderna. Pensar sobre o presente,o passado e o futuro nos põe em um ponto estratégico de mudanças e posicionamentos.

  • Elânia

    O tempo é precioso. Conseguindo dialogara com ele muita coisa se ilumina.
    abs

 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>