Política: Luzes e sombras pertencem ao mundo?

 

Resultado de imagem para extremos

 

Tudo ferve no país tropical. Bolsonaro continua acenando para os mais raivosos. Atinge simpatizante com discursos em favor da família e da violência. Apresenta-se como salvador. Promete o paraíso. Não me convence. Há várias maneiras de encará-lo. Possui um carisma maluco, se faz e adepto da tradição e solta o verbo. Diz o que os enrustidos gostariam de dizer. Explora o lugar comum sem cerimônias. A imprensa dança tentando enquadrá-lo. Conta com o apoio de expressivas figuras do exército e elege sua carreira como especial. Lança-se.

Seus adversários o chamam de capeta. Ele se coloca como um perseguido injustamente. Suas mãos são limpas. Quer evitar a divisão, seduz que não admira os petistas. Consegue votos, embora difame as mulheres, os gays, as negros. Não se cansa, parece imbatível, possui filhos que entram na batalha, Será o mentor de uma guerra civil? Não sei, mas aguarde. O tempo está muito nublado, as bandeiras do Brasil vestem seus amigos, ele atrai quem se julga ameaçado pelo comunismo ou fanáticos religiosos. Uma travessia que não renega acidentes.

A história se inquieta. O imprevisível desafia, é quase impossível esclarecer o que acontece. Lula preso, Moro na tocaia, Ciro cheio de teorias, Haddad ganhando fôlego, o PSDB suspirando. Muitas energias soltas, armadilhas fabricadas, milícias  empoderadas. A sociedade nunca segue um ritmo que satisfaça a todos. Somos filhos do pecado original, de uma deus que balança as emoções. As certezas são poucas, o progresso é uma enganação e a busca da solidariedade se torna uma aventura. Curtimos uma incompletude que se arrasta, mascarada por aleluias modernas.

Nada será como antes, seja qual for o resultado das urnas. As tensões não serão expulsas. Haverá alianças surpreendentes e amizades cantarão perdões. Talvez, a corrupção assuma outros princípios. A crise está colada ao capitalismo, mas existem empresas de consultoria para desmentir qualquer ameaça aos privilégios da minoria. Sempre se muda a gramática e se insiste em teses desenvolvimentistas. Há quem feche olhos e se desligue. Entrega-se a desilusão  e foge da fogo da luta. Não adianta, ela vai  buscar você em casa.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

2 Comments »

 
  • Daniel Silva disse:

    Há uma gama de descontentes antipetistas. Há os conservadores pensando na família tradicional e nas intolerâncias religiosa, sexual, etc. Defendem uma sociedade hierarquizada e estamental: brancos acima de negros, homens sobrepondo-se às mulheres, heteros aos Lgbts, cristãos sobre demais credos. Mas há, também, a maldade: maldade legitimada. Maldade disfarçada na defesa do uso de armas. Armas que, no discurso, são para se defender, mas, nas práticas, é para se fazer senhor…

  • Daniel

    Grande abraço e nada com o diálogo.
    antonio paulo

 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>