Os homens sem sonhos

Os homens sem sonhos sacudiram suas ilusões para dentro do abismo,

não sabem o que fazer com a insônia persistente e o revotril amargo.

Os homens sem sonhos adormecem temendo as luzes das estrelas,

fogem de qualquer cor que negue o azul e fecha a porta da moradia frágil.

Os homens sem sonho gritam assombrados por medos passageiros.

nem sabem o tamanho dos deuses que inventaram o mundo e o acaso.

Os homens sem sonhos atravessam estradas áridas e detestam sorrisos ,

cantam maldições anunciadas nos infernos escondidos de Ulisses.

Os homens sem sonhos apenas olham os pedaços de corpos feridos,

não conseguem escapar dos limites , nem entende que o encanto é dádiva.

Sentem que há mistérios fixos, no cerne das cartografias indecifráveis.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>