Os julgamentos, as relações de poder, o pessimismo

Os princípios éticos sofrem abalos cotidianos. Mesmo que o mundo tenha seus lugares de encontro, o jogo de interesses não permite a consolidação de transparências. Por isso, as discordâncias existem e, muitas vezes, impedem diálogos. A tensão faz parte da contemporaneidade. Está para além dos dissabores políticos ou das disputas econômicas. Formou-se um amplo mercado com poder de atração indiscutível. A arte e o esporte não fogem das suas seduções. As exposições exigem anúncios, assessorias, pareceres de especialistas. Nem todos possuem espaço para colocar seu talento. As competições esportivas envolvem milhões, sobretudo quando caem nas redes de informação. Surgem argumentos de defesa e de ataque estranhos e suspeitos. A unanimidade é uma ilusão. Os critérios variam e deixam os espectadores tontos.

Veja o que se passou na recente Copa América. A festa parecia está preparada para Argentina. Seria ótimo para os investidores. Valorização dos jogadores, Messi confirmaria seu reino e o mercado bola se animaria mais ainda. A surpresa acontece. O Uruguai não se acanhou e os famosos engoliram seco. Ganso, Neymar, Robinho, e os badalados brasileiros, não aguentaram o assédio. Ninguém nega o fracasso ou desestímulo. Alguns comentaristas esconderam suas arrogâncias e fecharam suas vaidades nacionais. Venezuela, Peru e Paraguai também ajudaram a mudar a paisagem. O invulnerável é um mito. Quebrar verdades  programadas refaz a  monotonia da cultura.Os exemplos  se seguem, não restritos aos encantos do futebol.

O nadador César Cielo ganhou medalha de ouro, depois de haver vivido um sufoco magistral. Emocionou-se, recebeu vaias e protestos de adversários. É difícil condená-lo a uma culpa sem perdão. Mais um vez, as sombras do julgamento, em questão, colocam  dúvida no desempenho do atleta.  Não faltam críticas e cogita-se que Cielo não deveria ser inocentado. As conversas se chocam, mesmo entre seus admiradores. Por que alguns são excluídos outros não? A proximidade das Olimpíadas afetará o olhar dos juízes? O que significa a controvérsia na gestão dos negócios de patrocínio? Consulte os blogs e analise os comentários. Há convicções raivosas e perdões quase religiosos. Numa semana, o mundo estendeu, largamente, suas contradições. Há ruínas e tentativas de apagá-las.É possível construir a história sem a idas e vindas? A utopia não é um exercício dos sonhos ? Que  pedagogia que encerraria o individualismo, socializando os ganhos  culturais ?

 A sociedade não é lugar de comodismos eternos, nem a memória se espreguiça e passeia sem compromissos políticos. As relações se esticam e caminham por diferenças nunca vistas. O que parece loucura para certos grupos, é uma violência desmedida para outros. Os atos terroristas e as guerras religiosas estão na história, com planejamentos sofisticados e simpatias de multidões. A vida e a morte se dão os braços. Confundem os valores. Os focos mudam, o ritmo da paz não se firma. Vendem-se tristezas e alegrias, tumultuando extensão dos sentimentos. As fronteiras não são lugares inúteis, mas locais de misturas culturais incomensuráveis. Não pense que a ficção, apenas, diverte e faz a plateia delirar com Harry Porter. A profundidade não tem fim, como também os raciocínios que exaltam crenças e justificam desigualdades.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>