Os esconderijos da paixão

O calor do corpo é o início da paixão,

e não a aventura sem nome e sem destino.

Cada olhar solto significa um encontro,

o tempo se entrelaça radicalmente com o desejo.

A história do sentimento é uma crença,

não suporta, porém, dogmas e apatias.

A paixão não se faz com o silêncio,

nem concilia o medo com a ansiedade.

Lança-se apenas para o futuro,

sem saber a medida  de cada sonho,

navegando nas sombras da tempestades.

Não adianta mergulhar nem esquecer o canto das sereias,

a vida não se refaz quando a alma grita e o ruido assombra.

Há um fantasma que inventou o mundo e desmanchou o paraíso,

redesenhou o corpo se perdeu na caverna do abismo.

A paixão se escondeu na escuridão do ressentimento.

 

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>