Os significados vadios da vida

Não esconda a saudade que move a história e celebra o desejo,

o tempo da vida não permite lamentos intermináveis.

A culpa é apenas um sofrimento que controla poderes e

intimida rebeldias, sepultando invenções.

Cada olhar traz o espelho da imagem que não muda,

a travessia que não data improvisos, mas fixa calendários.

O desenho do momento nunca é definitivo e geométrico.

Há amores que tardam anunciando malabarismos nos afetos.

A lona do circo da vida é transparentes e cheia de ilusões,

não há conceitos, nem teorias que determinem o universo.

Os trapézios se balançam como beija-flores encantados e

e a palavra final é uma brincadeira sem nome.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>