Latest Publications

O futebol em Pernambuco: sobra rivalidade, falta dinheiro

A coisa não está fácil. Anúncios de atrasos salariais ocuparam a imprensa e causaram polêmicas pouco esclarecidas. O treinador do Náutico foi áspero na sua entrevista e  Givanildo, do Santa, mostrava-se perplexo com as dificuldades encontradas. Há complicações que perturbam o desempenho dos times em campo.

O Sport busca melhorar seu elenco, porém não consegue realizar suas contratações desejadas. Ninguém sabe direito o que está acontecendo e aparecem jogadores vindos dos mais diferentes lugares. As torcidas permanecem desconfiadas e insatisfeitas com o desempenho das equipes.

As rivalidades não diminuem e dão fogo às partidas. O Santa movimenta muita gente, apesar das frustrações constantes. A falta de planejamento se faz presente na organização do investimento. Não se sente firmeza nas escolhas dos contratados, pois não há garantia financeira. Todos vivem um risco mal calculado. A instabilidade é permanente.

O timbu e  o leão enfrentaram-se ontem. Havia muitas dúvidas sobre o resultado. O Náutico encontra-se numa situação mais tranquila, mas não há esperança de que o privilégio esteja garantido. O clássico tem, sempre, a marca da disputa indefinida.

Acontecem desfechos que surpreendem.As equipes atuais oscilam e desfilam na corda bamba. Continua a ausência de craques, de jogadas inesperadas. Há a velocidade, o empenho de alguns jogadores mais motivados. Há também a apatia de outros que desamina os otimistas. Os ídolos estão de férias.

O Náutico foi mais ativo, atuou procurando o gol,  no clássico de um sábado chuvoso.O jogo terminou empatado. O Sport teve sorte. O leão sofreu com a expulsão de  um jogador e lutou para evitar mais uma derrota. Vamos ver o que sucederá  na sequência dos encontros restantes.

Será que o Náutico se firmará na frente da tabela ?  O leão voltará a rugir? No futebol, as decisões são acompanhadas pelas armadilhas do tempo. O empate de 1×1 deixou mais dúvidas para curtir, num domingo de agosto, longe daqueles dias quentes do verão, mas com o sol dando o ar de sua graça.

Share

As distrações filosóficas: o futebol no fogo da dúvida

Construir um blog passa por muitas reflexões. Se elegemos o imediato, a urgência, as palavras fugidias, podemos mergulhar num efêmero improdutivo. Terminamos por produzir um texto com informações variadas, mas de pouca intimidade com os questionamentos. Um texto ligeiro e descartável, como quase tudo que rege a sociedade de consumo.

Minha paixão , pelo futebol, vem de longe, como também minhas relações com a literatura. Estive, sempre, atento às linguagens, acompanhando as suas transformações. Não adianta ficar adormecido em tradições. É preciso redefini-las ou mesmo desencontrar-se , com os paradigmas dominantes, para não firmar lugares comuns.

A minha iniciativa de entrar, na atmosfera do blog,  levou-me a dúvidas. Retomei leituras de cronistas como Armando Nogueira, João Saldanha, Paulo Mendes Campos e , dos recentes, mantive admiração com os escritos de Tostão. Não queria, apenas, trabalhar com a superfície do futebol. Busco entrelaçá-lo com as convivências da cultura.

Foi uma opção feita com diálogos com Marcelo, meu filho mais novo. Ele é senhor das artimanhas do computador, conhece as expressões do mundo virtual. Mostra sabedoria. O importante é que nos aproximamos muito. Uma bela troca de experiências entre quem tem 58 anos com quem está chegando aos 15 anos. O afeto é uma invenção gostosa e fundamental.

Nesse aprendizado, consegui situar-me em muitas coisas. Uma delas é que, apesar do discurso da pressa, o mundo necessita de contemplar, para não abandonar a paciência e a profundidade. Muita informação gera um culto ao acúmulo e à perda crescente de qualidade. As mentes e os corações se esvaziam, gradativamente.

Daí, segui reformulando reflexões, não me deixando escravizar pelas novidades, tirando o futebol de muitas banalizações. Ele cria, dança, alegra. Não deve ser resumido aos milhões das negociações ou às fofocas sobre as noitadas dos jogadores. Ultrapassa visões individualistas.

Discutir, debater, falar das astúcias e dos malabarismos, da arte que marca os fazeres humanos abrem espaços para curtir outras perpectivas que o futebol nos coloca. Articular o texto traz  fogo para não celebrar, com excessos, o descartável e a soberania do agora.

Assim, o calor da dúvida anima a vida e sepulta verdades terminais. O silêncio possui significações, mas o grito também ajuda a mover certezas. A velocidade tem um lugar especial no mundo atual. Não temos, porém, obrigação de repetir, de ser o eco. É saudável arriscar e acreditar em tapetes mágicos.

Share

A conquista e a renovação: o futebol segue adiante

Pelé surgiu cedo para fama. Tornou-se campeão do mundo, em 1958, jogando numa seleção preciosa. Lá estavam Djalma Santos, Didi, Zito, Garrincha, Nílton Santos e tantos outros. Não faltavam craques. Foi um entusisamo geral. Até os adversários ficaram perplexos e maravilhados com a capacidade de invenção do time do técnico  Vicente Feola.

Hoje, lamentamos a ausência de talentos. São raros e tentados pelos milhões dos clubes europeus. Vão e voltam. O caso de Robinho é uma marca dessa instabilidade. O futebol brasileiro não vive um momento grandioso, mas também não necessita fechar para balanço.

O Santos venceu a Copa do Brasil. Um título ambicionado e valioso para animar os meninos da Vila. Pelé viveu, muitos anos, vestindo a camisa do Santos e não deixou da fazer parte da sua torcida. Ninguém pode negar as boas revelações que o time da Vila Belmiro vem consagrando. É um sinal de otimismo.

Agora, aparece uma outra geração, onde se destacam Paulo Henrique e Neymar. Podiam ter ido para o Mundial de 2010. Não foram.  Houve resistências, já muito discutidas. Continuam fazendo seus malabarismos, entusiasmando a torcida e a imprensa. A conquista da Copa do Brasil reforça seus lugares de craques.

O Santos vai lutar para segurar sua equipe e viver uma era de celebrações. O momento do São Paulo é outro. Conseguiu vencer o Internacional, mas não o suficiente para efetivar o caminho tão desejado. Tentou ser ser ofensivo, realizar o sonho de um público vibrante e ficou só na esperança.

Agora, Ricardo Gomes está desconsolado de vez. O time não engrenou, decepcionando. Sobraram  contratações, no entanto o mistério ronda o Morumbi. O Chivas , do México, enfrenta o Internacional e decidem a Libertadores. Talvez, os gaúchos se afirmem como campeões. Resta torcer, pois o futebol apronta sempre. A surpresa nunca sai de cena.

Share

O futebol e a fórmula 1: o esporte sob pressão

No mundo atual, a mulitplicidade é visível.  As transformações, ocorridas nas últimas décadas, tiveram uma velocidade marcante. As chamadas revoluções tecnológicas tumultuam o cotidiano. Cada invenção traz o surgimento de novos hábitos, novos alfabetos, novos consumos.

O esporte não foge dessas mudanças. Se antes tudo dependia da habilidade humana, hoje as máquinas assumem lugar de destaque. Muita gente  delicia-se com as performances técnicas e as magias da ciência. Não se fixa mais nos antes charmosos esportes tradicionais.

A fórmula 1 tem um lugar especial na pós-modernidade. Suas corridas são disputadas com automóveis movidos por sofisticações que, sempre, se renovam. Há um público grande que não perde suas competições.É um esporte que atinge mais uma torcida mais abastada, mas suas transmissões atraem todos. 

Nesse sentido, os méritos democráticos das televisões devem ser salientados. Nem tudo está perdido. A velocidade comanda o espetáculo. O risco de acidente valoriza a ousadia. Valem o cuidado e a atenção, porém  a aventura é majestosa. Esquentar os motores  acede a vontade de seguir adiante e cria condições para afirmar façanhas admiráveis. 

Os esportes dizem muito do tempo, dos mitos humanos, dos seu sonhos. Antes, o destaque era o atletismo, o esforço individual, a preparação física exemplar.  Mantêm-se o desejo de vitória e a responsabilidade com o corpo, porém a velocidade exerce um fascínio singular.

Mesmo no futebol, há outra forma de pensar o jogo. A cadência, os dribles, os passes mais artísticos foram , muitas vezes, substituídos pela necessidade de fazer a bola andar, com uma pressa sufocante. A preparação física rigorosa toma conta da formação dos elencos.

A beleza tomou outro destino. O gol não tem o gosto das tabelinhas de antigamente. Agora, é bola na área, pique nos contra-ataques e defesas bem fechadas. As pessoas parecem máquinas. Uma confusão se configura nas identidades.

Há polêmicas sobre o melhor caminho. Há os que negam que a fórmula 1 seja um esporte. Compara-se velocidade à pressa e alguns antipatizam com os requintes técnicos. Os argumentos se tornam complexos, com tons filosóficos. A ordem  e  transgressão, construindo os saberes e as armadilhas do tempo.

O importante é observar a incompletude do humano. O novo assusta, mas também redefine alternativas.A escolha é um sinal de que o equilíbrio pode  acompanhar a vida. A multiplicidade é uma conquista. A harmonia do barco  com o  oceano  compõe a sinfonia de cada ato. Não consagremos um mundo de um único ritmo.

Share

As disputas e as intrigas: a inquietude, a ética e o cuidado

Muitos jogos, muitas decisões e muitos descontroles. Os noticiários estão repletos de fatos que mostram a diversidade da vida futebolística. Os clássicos , do final de semana passado, receberam atenção especial. O jogo atrai, sobretudo, quando retrata tradições e confrontos ferrenhos.

O Atlético continua sua trajetória de fracassos. Luxemburgo está sem saída. O Cruzeiro fez a festa, deixou sua marca. O elenco do Atlético passa por momentos desestimulantes. Há discordâncias, entre os jogadores, que dificultam mais ainda a recuperação. A torcida está indócil e não entende tanto gasto, para atuações tão desencontradas.

O Palmeira manteve sua sequência de empates. Felipão incomoda-se. Exige reforços urgentes, com qualidade comprovada. Afinal, não quer correr riscos. Nada como reafirmar sua história de campeão, de estrategista ímpar. Já o Corinthians segue perto da ponta da tabela, tendo o Fluminense na frente, por uma diferença mínima.

O Internacional aguarda o São Paulo. Segurou o Grêmio, com um resultado de zero a zero. Confia muito na sua força, para conquistar a Libertadores. A parada é dura, pois os tricolores do Morumbi venceram o Ceará e podem fazer uma reviravolta. Tudo é possível na quinta-feira, dia 5 de 8.

Outras notícias abalam os mais ordeiros. Alguns jogadores do Santos aprontaram, mostrando falta de formação ética e ameaçando a disciplina do elenco. É preciso observar bem esses comportamentos. Eles servem de exemplo e contagiam.Não se deve esquecer que o Santos está na disputa da Copa do Brasil.

Qualquer descontrole desfaz o trabalho e o desejo de obter o título. Não adianta, apenas, bom preparo físico e malabarismos sedutores. Os clubes necessitam pensar na formação dos seus jogadores, tirá-los de  mediocridades e contribuir para  amadurecê-los.

Já afirmei, muitas vezes, que o futebol se entrelaça, de forma singular, com a nossa cultura. Não é uma diversão qualquer, manipulada para distrair multidões. A crítica faz bem a sua estrutura de ação e evita desmandos.

Tudo que mexe com a cultura merece cuidado e encontros profundos com a ética. Mesmo cercados por um mundo de negócios, não sejamos tentados a abandonar o respeito pelos outros. Não vamos desprezar a cidadania.

As justificativas, para algumas atitudes, são vazias e representam carência aguda de formação.  É preciso sair da sombra, dos enconderijos e voar, sem medo de olhar o infinito. O futebol anda junto com a vida.

Share

A bola no pé e no coração: nostalgias de sempre

As saudades acompanham a nossa vida. A memória seleciona momentos que ficam como uma paisagem na janela. As lembranças têm vida, fazem parte das satisfações cotidianas. É claro que há relações que preferimos nem vê-las como sombras. Mas o  passado é fonte de muita coisa, nunca deve ser desprezado.

Sou canceriano, portanto curto a saudade. Converso sobre ela, com muita transparência e sem acanhamento.  É constante na minha imaginação. Passo horas redesenhando convivências passadas e me delicio com certos episódios e gestos queridos. Não nego o futuro, nem me afogo no tradicional. O que mais aprecio é a simultaneidade dos tempos.

Longe de fixar-me no linear, viajo pelos territórios dos sonhos e das recordações que me tornam mais leves. Na minha memória, o futebol tem um lugar especial. Não é nada recente, coisa de adulto ou mania surgida depois dos vinte anos. Está lá na infância, nas suas falações, nas leituras das revistas mais antigas, na emoção marcante da torcida, nos jogos do Santa.

Esperei sete anos para vibrar com título de campeão da valente cobra coral. Nasci , em 1952, e o Santa só, em 1959 , me deu, com mais consciência, essa alegria. Continuei sendo tricolor, festejei muitos jogos, tive ídolos, com moderação. Sempre ressaltei o coletivo. Não sou de exaltar, sem limites, craques isolados.

Um time entrosado, trocando passes, é melhor do que uma equipe com uma estrela arrogante. Não importam os milhões, nem as manchetes repletas de ilusões, querendo agitar o mercado de humanos. Quem viu aquele time do Santos( Pelé, Zito, Coutinho, Pepe…) pensa diferente e não se engana com as declarações de Felipão ou Dunga, sobre o valor dos resultados ou o fim da arte no futebol.

Não me restringia a ser um torcedor. A  minha rua, apesar do calçamento,  alimentava o espaço de diversão dos nossos finais de semana, com peladas monumentais. Bola de plástico duro, muita gozação, tarde de calor e encontros com os amigos. Era uma reunião insuperável. De noite, o sono vinha, sem cerimônia, e o travesseiro parecia um tapete persa.

Tudo mudou. Não vamos condenar os deslocamentos dos prazeres. A sociedade do espetáculo usufrui, atualmente, de uma soberania imensa. As crianças procuram o virtual dos computadores e frequentam shoppings, esquecendo-se das praças e das praias. As imagens povoam cartazes, salas de aula, muros, televisões, com uma magia embriagadora.

A felicidade se redefine. Ela nunca é total, porém nos atiça com suas provocações. Certas melancolias tiram, às vezes, as cores do mundo.  Todo  cuidado deve ser mantido. É importante acreditar que a luz não se apaga para sempre . Há, porém, instantes de escuridão. Tatear também ensina, aprimora o toque e a intuição.

Com a bola no pé e no coração ficava, no quintal da minha casa , dando chutes para o além. Brincava, suava, olhava o azul do céu e nem sabia que as invenções da cultura trariam travessuras tecnológicas, para a vida , de forma quase absoluta.

Não fujo delas, no entanto não me nego a atravessar o tempo, solidário à nostalgia, enfeitiçado com a beleza do quadro de Portinari. Ainda bem que a vida é múltipla e o labirinto possui saídas. As brincadeiras são outras, mas não foi perdida a vontade de brincar.

Share

A animação que não valeu, a dúvida que permanece

Parece mentira e assombração incansável. A festa estava preparada. Julgava-se impossível que o Santa Cruz, mais uma vez, ficasse rondando o abismo. Empatar com o Confiança deixou a torcida, vinte e nove mil presentes no Arrudão, frustrada. Ninguém sabe para onde vai tanto desacerto ou, para outros, tanto azar.

Dessa vez, até o árbitro entrou na roda. Não marcou um pênalti já no final da partida. O pior é que o jogador que o cometeu, confessou, sem constrangimento, o erro da autoridade máxima em campo. Foi um descontrole que terminou provocando grande confusão e revolta geral da equipe tricolor.

O Santa está em segundo lugar, não se afogou, mas perdeu uma chance de se firmar e entrar num caminho vitorioso. Givanildo melhorou a formação tática, o ataque assedia o adversário e o resultado não satisfaz. Os gols estão guardados, escondidos, infelizmente não aparece quem desmonte esse destino.

O futebol pernambucano teve uma trajetória bastante desencontratada nesses últimos dias. Merece citação, para não ficarmos lamentando quando as coisas já estiverem definidas. Não custa lembrar que o Sport perdeu, em casa, para o Duque de Caxias, num confronto para lá de melancólico.

O Náutico foi goleado, porém ainda se acha bem colocado. Enfrenta o Sport no próximo sábado. Quem vencer pode suspirar com mais leveza. O que intriga a todos é a irregularidade de ambos. O timbu conseguiu resultados destacados, no entanto sofre goleadas homéricas.

Por fim, sem querer chorar muito, o Central  nos manteve no sufoco. O Treze foi quem dançou forró em Caruaru. Não há como sorrir, nem o Salgueiro chegou perto de uma vitória.Perdeu de 2×0 para o Campinense na Paraíba. Há fases pesadas, tempestades medonhas, mas nem tudo se determina de forma imutável. Vamos juntar todas as cores, retomar a animação, embora a dúvida fique nos perseguindo. Assim vamos, atropelados pelo momento.

Share

Nomes, ritmos, invenções e memórias

Astor Piazzolla é um das mais notáveis compositores  do século XX. Argentino, fez uma revolução no tango tradicional. Não foi fácil. Sentiu-se um exilidado na própria terra. Recebeu críticas de Jorge Luís Borges e outros intelectuais e as respondeu com a autoestima doendo. Hoje, está consagrado, mas já não pode assistir ao êxito mundial das suas belas músicas. Os arcanjos o acompanham na eternidade.

A teimosia ajuda, nem sempre desmancha planos. Joyce escreveu um romance, Ulisses, que, ainda, é lembrado com muita admiração. Uma obra-prima que mudou as formas da literatura. O mesmo se pode dizer de Guimarães Rosa com seus escritos fabulosos. Causou surpresa, desmantelou paradigmas, mas terminou encantando com suas histórias.

No futebol, sobram aventuras. A polêmica sobre as gestões táticas, dos chamados professores, parece infinita. Muitas instruções, medo imenso de perder,  fragilizam a possibilidade de surgir os talentos. O jogo se amarra  e o gol é esquecido. A sonolência impera.

O ritmo de Piazzolla e sua ousadia quase não existem nos times de futebol da atualidade. Vez por outra, a memória nos traz o passado das grandes partidas e os feitos dos jogadores que não se cansavam de  inventar passes e tabelinhas. Não custa acionar a saudade e lembrar que as dificuldades também estavam presentes.

Pelé foi a Copa muito jovem. Seduziu os europeu com suas invenções fantásticas. Chorou quando se tornou campeão. Dunga vetou talentos, que apareciam, e firmou uma seleção cheia de compromissos de lealdade, sem opções para transformar o rumo das partidas. Alegou imaturidade dos preteridos e cantou coerências.Pagamos caro pela sua intransigência.

Didi cobrava faltas, como ninguém. O autor da famosa folha seca deixava os goleiros sem opção. Poucos sabiam que fazia tal magia, porque  tinha problemas físicos que o impediam de apostar no comum. Fez da diferença uma marca. Descobriu um caminho.

A cultura vive de transgressões. Uma ordem completa, sem lacunas, seria o fim de tudo. Nem Deus suportaria tanto tédio. A capacidade de criar, de desfazer, de desfiar verdades, a imaginação aquecendo as idéias, nos conduzem a delinear outras alternativas e transcender momentos e cotidianos.

Quando se apresentam muitas condenações para o novo, resta manter a desconfiança e se recordar dos tantos feitos guardados com cuidados. Eles ensinam. Não precisa de elegê-los como repetição indiscutível ou conservá-los sem o propósito de atiçar reflexões.

 A reinvenção é a saída dos labirintos sufocantes da mesmice. Os medíocres gostam dos discursos de argumentos lineares, ocos e desligados de qualquer ritmo renovador. Na ação da memória, não estão apenas as lembranças das tradições carcomidas e autoritárias. O diálogo, entre os tempos, desperta e desenha astúcias atraentes. A roda-gira, a roda é viva

Share

Clássico é clássico: a grande festa do futebol

O final de semana promete grandes jogos. Pode não haver primor técnico, mas as rivalidades não são esquecidas.  Como um jogo, com muita sutileza, o futebol passeia pelo imprevisível. Os resultados trazem o inesperado, deixando a perplexidade flutuar.

A magia do lúdico é algo que encanta a vida. Se tudo fosse ordenado, sem trangressões teríamos uma monotonia sem fim. É importante que a sociedade busque o equilíbrio, mas que também tenha forças para viver seus desmantelos e crises radicais.

O esporte, de uma maneira geral, ensina. Conviver com a derrota e, logo depois, com a vitória, exige sensatez. Nada de ficar nomeando culpados e castigando os outros. O jogo é uma unvenção rica de alternativas. Ela nos provoca e nos diverte. São contradições marcantes.

No futebol, os clássicos são recebidos com expectativas variadas. Representam, quase sempre, a presença de públicos extraordinários. Bandeiras, charangas, faixas, fantasias, torcidas animadas fazem o dia do clássico um espetáculo que foge, apenas, das dimensões dos estádios.

A mobilização é agitada pelos vaivém dos transportes, pelo consumo de cervejas e pela formação de grupos mais dispostos a entrar na festa. Não quero firmar favoritos. Há times que estão vivendo fases terríveis que esperam um clássico para efetivar sua redenção.

Um exemplo: o Sport pode se sossegar mais ganhando do Náutico. Estão, agora, em contextos diferentes. Os rubro-negros com decepções, maldizendo a campanha da série B. O timbu coroado gozando situação privilegiada, na ponta da tabela, cheio de entusiasmo. É uma esperança aguardada, com ansiedade.

No Rio Grande do Sul, o Internacional segue caminho aberto por vitórias. Almeja conquistar a Libertadores e possui um elenco de primeira. O Grêmio não se firmou. Dizem que falta sorte, pois a equipe merecia outro destino. Repete-se uma disputa inquietante para a cidade de Porto Alegre.

Teremos outros clássicos exaltados pela imprensa. A torcida do Palmeira aguarda que Felipão faça valer seus conhecimentos e carisma e os corintianos se afastem da euforia. Será um dia de decisão para o futuro imediato dos dois clubes.

Clássico é clássico, futebol , jogo e festa. A vida é encontro e desencontro, o domingo balança: Faustão, shoppings, boas dormidas e reunião para organizar e ficar mais solidários com suas cores. Elas expressam desejos e fortes manifestações. A violência fica trancada no cofre, incomodando as paredes de aço e os corações de ferro.

Share

As magias do capitalismo e o futebol: a fama distrai e subtrai

A fama. Nada mais sedutor para quem vive numa sociedade cheia de vitrines. Não pensem, apenas, nas vitrines da lojas. Elas estão em toda parte. Até mesmo no seu quarto de dormir. Elas expõem seus desejos e seus compromissos com individualismo consumista.

É difícil conviver num mundo tão massificado, mas, contraditoriamente, moradia da solidão e do tédio. Quem aparece se encanta com a possibilidade de ser único. Sente-se um conquistador, sem aprofundar a razão das suas ações, segue desfilando nos noticiários, sorrindo nas entrevistas, fazendo charme nas fotografias.

Depois do crescimento do cinema, sobretudo o do norte-americano, a corte aos artista se expandiu. Basta um filme mais badalado, para a mídia cair em cima. O sucesso não dura, porém, muito para alguns. Vem associado à grana, ao direito de sair do anonimato.

A TV trouxe mais aquecimento para os famosos. Sua rapidez na informação transforma acontecimentos banais. Surgem figuras, antes acanhadas, exibindo sua imagem nos programas mais cotados. No domingo, há exemplos singulares que comunicadores, como Faustão e Sílvio Santos, promovem exaustivamente.

Todos ficam extáticos diante de tanta fantasia. Ter seu rosto fotografado, filmado, projetados em cartazes, é um delírio. A fascinação mora no desejo de ser conhecido, nem que seja por 15 minutos. Não faltam candidatos, sobram ambições.

O futebol não poderia fugir dessa corrida à fama e ao deslumbramento. Está inserido no mercado capitalista e sofre assédio constante da impressa, na procura de novidades e de astros.Recentemente, os meninos da Vila tiveram um momento especial. Parecia a redenção do futebol que apresenta arte e malabarismo diante do pragmatismo vitorioso.

Um desses meninos, chama-se Neymar. Talento indiscutível, se move no campo com alegria. Surpreendente nos dribles. Foi exaltado. Formou-se um fã-clube que o perseguia em cada gesto. O salvador do Santos e , talvez, da seleção brasileira. Neymar emplogou-se com a promessa de ganhar milhões e esqueceu suas astúcias de grande jogador. Passou, um tempo, meio estranho.

Volta o seu time a ocupar espaços. Neymar se redime e busca segurar a fama. Mano o convoca para seleção. Um sonho concretizado, mais alento para firmar sua caminhada. Está no foco. Por ter perdido um penalti, cobrado com muita irreverência, tornou-se alvo de muitas polêmicas.

 A fama não traz paz. Inquieta. Ela precisa de uma boa conversa, para que possa compreende melhor toda a agitação. Afinal, é um dos meninos da Vila, pouco conhece sobre as armadilhas do ardiloso capitalismo.

Share