Pisando nas armadilhas minadas

Resultado de imagem para armadilha

 

Faz tempo que a violência se tornou manchete principal. Falo da violência física. Há também escravidão, preconceitos, cinismo. As críticas existem e ninguém gosta de se sentir ameaçados. Os ruídos se espalham, assumem redes sociais. No entanto, não exagere. Há quem argumente e coloque a violência como um mal necessário. Ninguém é ingênuo quando percorre a história. Houve muitas guerras, militarismo. As  utopias trouxeram alentos, revoluções, possibilidades. Mas e as bombas, as armas sofisticadas, os discursos das lideranças? Quem aposta num mundo sossegado? A desigualdade atemoriza e a grana atrai. Há tensão constante.

Portanto, temos medo. As assombrações nos visitam. Somos animais predatórios e assimilamos traços obscuros. Muitos desamparos. elogios aos milicianos, mortes anônimas. A violência é parteira de uma história repleta de incêndios e neuroses. É claro que se usam fabricações de vitrines brilhantes. Não faltam ilusões. O capitalismo sabe se assessorar, possui especialistas, compra saberes, monopoliza a comunicação. Não é à toa que aparecem os adeptos, vendo a felicidade em cada esquina. Perplexidades para alguns que promovem a racionalidade iluminista, esquecendo o ódio ensinado até nas escolas, as antipatias que geram intrigas.

A contaminação do descontrole se globaliza. Os donos do poder não poupam ideias, se fazem de vítimas, convocam doutrinas religiosas. A mistura dificulta a luta contra os desmanches da ética. O perigo é controle cotidiano feito de for,a sistemática. A imprensa fermentou a queda de Dilma, agora tira o tapete de  Jair. A quem ela serve? No meio da tantas perversidades, a lucidez consegue permanências. O desespero vai e volta, porém os gritos não deixam que a hipocrisia se consolide de vez.  Mata-se como num jogo de computador. Delírio.

Moramos cercados de armadilhas. Vacilamos quando a rua se enche de carros e apitos. Como se distrair? Como sentir a solidariedade? Com acolher quem se lança na loucura? A história ensina. É uma mestra, com muitas lacunas. É preciso construir a autonomia, duvidar das promessas religiosas, observar as  mentiras assassinas. Se o diálogo se resume ao teclado de celular, a doença aumenta, os psicotrópicos disparam, a lama invade qualquer espaço. O poder tem cultos articulados e se infiltram até nos espelhos dos banheiros. Cuide-se e cuidado com o individualismo. A inocência não se vende em mercados. Os sustos interrompem o sossego e intimidam.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

3 Comments »

 
  • Anuska salsa disse:

    Maravolhoso!

  • anuska
    grato
    abs
    antonio

  • Rivelynno Lins disse:

    … são tempos de angústia, de tristeza, de violência. São tempos incertos, desemprego, subempregos, desmanche das leis trabalhistas, do direito a aposentadoria integral em tempo de vida útil a desfruta-la. Tudo parece um grande delírio, um louco está na presidência e detém apoio de uma maioria de eleitores, de forças políticas e econômicas fortes. Não há oposição significativa. As utopias estão anestesiadas, as pessoas parecem não acreditarem que podem mudar o jogo. E assim, caminhamos atônitos, observando atentos as manchetes dos meios de comunicação esperando o quê vai acontecer hoje no governo, tudo parece novidade, novidades perversas contra o estado democrático de direito…

 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>