Quem aposta na política?

 

Resultado de imagem para politica no brasil

 

Se o escândalo ganha espaço no mundo, a história se torna parceira do inesperado. As instituições criam regras, mostra que existem limites. No entanto, há agonias marcantes. O movimento não dispensa as transgressões. A cultura busca equilíbrios. Eles são passageiros. Como fica o medo do inesperado? Vivemos a política numa sociedade que fermenta disputas. Ela não se livra da violência, tolera preconceitos e gosta de consumir. Portanto, cultiva novidades, ganha o território da superficialidade, brinca de sacudir a responsabilidade no lixo.

A política se envolveu com corrupções imensas. Prisões, julgamentos, acusações , surpresas. Muita irritação, divisões e falta de projetos. Não conseguimos visualizar diálogos, soluções, encontros. A tensão está presente em tudo. Tentaram matar Bolosonaro que havia, antes, falado de armas e torturas. O perfil do possível assassino é incrível. Parece que tudo acontece sob o efeito de um feitiço. Não esqueçamos que a violência não está . apenas, na política. Ela apodrece possibilidades e ameaça esperanças, invade moradias e planejamentos.

A sociedade consumista atiça performances. A sua mídia é extravagante,Tudo se transfere para uma competição sofisticada. As obscuridades arruínam reflexões. Como debater ideias, traçar planos, mover sentimentos? Ganham o interesse e a grana. Quem está a serviço de quem? Muitos desacreditam que haja saídas. Preferem carregar no pessimismo. Muitos desempregado ouvem o desespero tumultuar sua loucura. Portanto, as inimizades prosperam junto com as hipocrisias. O retorno é a suspeita. A mesquinharia empurra para desconfiança. A imagem é a sedução.

As eleições estão aprofundando uma dissonância que se espalha pela história. As ideias fascistas se consolidam em determinados grupos. A inquietude se firma e a insegurança se amplia. Não é à toa que as eleições se tornem um cenário de fantasmas e assombrações. Os acontecimentos agudizam os destroçamentos da reconstrução. O Brasil é sufocado por autoritarismos. Seu ídolo ,Vargas, fundou o Estado Novo. A censura não se foi e sinais evidentes de escravidões não abandonaram as relações de trabalho. Como respirar a dignidade poluída cotidianamente? Mais além do atentado, há tiros no ar, raivas reprimidas, curvas traiçoeiras.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>