Sentimentos repartidos e vadios

Multiplique a solidão pelo eco da paisagem inquieta.

Cada coração não mede o tamanho do seu segredo,

envolve-se com a imagem do espelho, com o desejo de eternidade.

Multiplique os números e reparta os sentimentos dispersos.

Cada trilha está sinalizada com as geometrias do acaso.

Não use o disfarce para sossegar a rebeldia, nem fuja.

O ruído da vida é a máscara do silêncio que se perdeu.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>