Posts Tagged ‘acaso’

A vida e a borboleta

 Faça uma rasura dramática no enredo da vida. Não meça o fim da aventura improvisada, nem chore a lágrima sacrificada no passado. Conte  sua história  com uma deselegância gratuita e efêmera. Despreze quem imita o sucesso anônimo e vagabundo e não  se constranja com a ausência tardia e imprecisa. Recorde o que ficou das sombras […]

Read the rest of this entry »

Anderson: o corpo, o delírio, o limite

Ganhar parece ser um destino na sociedade do espetáculo. Nem todos  merecem êxitos e milhões. Não faltam possibilidades de exibição. O capitalismo é senhor de muitas artimanhas. Traz do passado sentimentos, reinventa comportamentos, celebra religiosidades, aparentemente, desfeitas. Não se vive sem ídolos, mas os santos estão ocupando espaços. Portanto, a sociedade traça caminhos diversos, pois […]

Read the rest of this entry »

Loucura divina, setenças finais

Nos desenhos dos últimos horizontes estão anunciados os nomes dos condenados nos delírios incomuns do juízo final. Não há lucidez mínima, nem a razão tece palavras desconhecidas. A loucura dos deuses consolida a eternidade da ilusão, o esgotamento do absoluto. Cada história não consagra destinos, não renuncia a incerteza da ousadia. O poeta escreve na […]

Read the rest of this entry »

A gramática simples do inesperado

A fuga do tempo não mede a história que foi vivida. Cada passo desfaz o ritmo veloz da memória e consolida o esquecimento tardio. A busca do significado maior esvazia o descompasso caótico do disfarce agoniado e a escrita estranha o sumiço das palavras, quando o poeta perde a inquietude que o vigia. A gramática […]

Read the rest of this entry »

Os mundos construídos e a brincadeira sem fim

Necessidade ou acaso. Amor ou desespero. A roleta da vida não se resume mais às escolhas dualistas. A diversidade trouxe de outras medidas. Mudaram-se os lugares, pois cada minuto acumula milhões de história. Adão e Eva já planejavam lotear paraíso e entrar em acordo com a família da serpente. Quem foi mesmo que inventou o […]

Read the rest of this entry »

Os acasos e as necessidades nas histórias vividas

Sempre me pergunto se tudo possui um sentido. Custo a acreditar num acaso extenso e dominador. Não haveria, então, como falar em fundamentos. A prevalência do mistério acompanharia a vida. Talvez, tudo fosse um grande jogo, programado por um astucioso engenheiro eterno e vigilante. Pode ser? Mas  se as religiões estiverem com as verdades? Se […]

Read the rest of this entry »

Quem escolhe os destinos e perdoa os pecados?

  A ideia de salvação não se afasta da história. Ocidentes e Orientes não a esquecem. As criações de paraísos nos decifram nos mais inusitados momentos. Não pense que Hitler não fabricava suas visões delirantes. Ele fez do nazismo uma profecia. Seus comícios eram espetáculos. Exploravam sentimentos e prometiam  redenção. Abalavam os frustrados e nomeavam […]

Read the rest of this entry »

A invenção do método é uma saída para vida?

Descartes refletiu muito e perdeu  noites de sono. Queria superar verdades estabelecidas Tinha a razão acesa para redefinir caminhos que vinham marcando o Ocidente , desde a época de Aristóteles. Sentiu o mundo inerte? Desfazia-se em angústias de fracasso? É difícil fazer a análise do pensador francês, depois de tantos séculos. Visitar a interioridade é sempre […]

Read the rest of this entry »