Posts Tagged ‘afetividade’

Exageros e compromissos/ disfarces e euforias

      Não vamos achar que PT é sagrado, quebrou a política tradicional. O sagrado é perigoso, engana e cria ilusões. Houve escorregões visíveis nos governos petistas. Negar isso é querer ir para o paraíso. Portanto, estamos diante de fatos que provocam reações negativas. No entanto, usar a culpa com argumento é vazio. Negar-se […]

Read the rest of this entry »

A cidade: ocupe e ame ou ame e ocupe?

Estamos cercados por instituições por todos os lados. Fazem parte da construção da história. São invenções contínuas, com permanências e descontinuidades surpreendentes. Não há como viver as sociabilidades sem regras e negociações. Quem pode celebrar a falta de limites como uma conquista? As utopias conversam sobre prazeres, mas não deixam de assinalar que há o […]

Read the rest of this entry »

Nos territórios malabaristas do facebook

  A experiência ensina que a vida é um movimento difícil de possuir regras fixas. Não podemos viver sem princípios, temos hábitos e tradições, porém é preciso que olhares espertos não se deixem enganar por máscaras cotidianas. Não há história sem convivências, nem tampouco necessidade de garantir que elas se mantenham sem escorregões. Há mudanças […]

Read the rest of this entry »

Convivências: conversas, redes, afetos

Quem se lembra do telefone e suas longas chamadas deve ficar perplexo com os e-mails e as comunicações recentes. Há uma pressa e uma síntese constante. Ficamos contemplando palavras e, muitas vezes, sem compreendemos os sentidos colocados. Uso as redes sociais, frequento facebook, mas não nego que gosto da conversa pessoal. Nada como olhar nos […]

Read the rest of this entry »

As perguntas e os ídolos não saem da história

Nunca cultivei ídolos. Tenho admiração, contudo, por muitas pessoas. Não precisam ser intelectuais ou artistas famosos. Observo muito o cotidiano, quem está próximo. A distância cria fantasias excessivas, transforma sonhos e mitifica. É importante sabermos que as perguntas sempre existirão. Toda sociedade humana conviveu com dúvidas. Daí, a tendência a eleger certos privilegiados que nos […]

Read the rest of this entry »

O facebook: as travessias virtuais e apressadas

Os louvores à tecnologia encontram-se divulgados no mundo inteiro. Há especialistas em elaborar artigos, vídeos, documentários e analisar o impacto das inúmeras invenções na vida humana. Elas invadem a convivência, praticamente criam súditos e dependentes. Os meios de comunicação abrem espaços para redefinir o cotidiano. As cartas pertencem ao passado, os celulares colocam o telefone […]

Read the rest of this entry »

Os avessos cruéis e as conversas do mundo

Há quem acredite em energia negativa. Faz tudo para fugir de pessoas que desfilam no reino da mesquinharia. Eu não discordo. Acho que os sentimentos atravessam a construção da cultura, com uma heterogeneidade marcante. Seria impossível classificá-los, como se estivesse num concurso de vestibular. A sociedade é de massas, as pessoas se parecem, não buscam […]

Read the rest of this entry »

Barack Obama vive entraves contínuos

A vitória de Obama representou um fluir de energias diferentes. Parecia impossível, mas aconteceu. Mudaram-se as expectativas. Tradições conservadoras fragmentaram-se. Correu uma onda otimista com a quebra de preconceitos e redefinições no caminho da história dos Estados Unidos. O mundo democrático celebrou. Mas, na política, os campos pantanosos são amplos. As desconfianças não se ausentam. Criam-se tensões […]

Read the rest of this entry »

O mundo não sossega, a afetividade não se alarga

Buscar serenidade parece difícil. É bom que haja transgressões para que a apatia não se estabeleça. Contudo, nem tudo caminha no sentido de efetivar-se mudanças e alterar os tantos infortúnios que transitam pelo mundo. Os conflitos são violentos. Desanimam quem acredita no mínimo de solidariedade. A globalização não nos aproximou afetivamente. Trouxe maior entrelaçamento entre os […]

Read the rest of this entry »

Quem adivinha a forma dominante do mundo?

A sociedade segue uma trilha, como um modo de sintetizar sua história. Poderíamos dizer que a cultura tem um perfume. Difícil identificar suas essências. Tudo fica no reino das metáforas. Sobram imaginações, para quem não fica parado na frente do espelho. As palavras possuem uma plasticidade de fazer inveja aos quadros de Mondrian, Picasso, Van […]

Read the rest of this entry »