Posts Tagged ‘afeto’

AFETIVIDADE

Ame o sentimento do inacabado e a tristeza fugidia. Firme-se na aventura que não foi vivida. Esqueça o desejo de exercer o cinismo. Tema o golpe construído na madrugada do pesadelo. Invente a cor que proteja os pássaros inquietos. Viva o tempo despreocupado com a eternidade vadia. Instale uma luz no barco da fuga inesperada. […]

Read the rest of this entry »

Quem se lembra dos refugiados?

  Fico olhando a sociedade e não me esqueço que o mundo gira. Não basta cuidar das nossas artimanhas e falar mal dos políticos. Há acontecimentos e relações profundamente globalizadas. Contágios desagradáveis de sofrimentos e perdas de rumo perturbam. Cunha é uma figura estranha, as delações levantam desacertos, a dubiedade invade os espaços sagrados. Isso […]

Read the rest of this entry »

Tempos da vida

Cada sopro da vida é um sinal de uma animação inesperada, o sentido está solto recebendo os desfazeres do caos. Os destinos dos deuses inventam eternidades sem narrativas, e o espanto agonia a possibilidade de se  aproximar dos labirintos. Não há história que despreze as memórias, nem tempo que consagre sossegos. Somos argilas, aprisionadas em […]

Read the rest of this entry »

Política e capitalismo: suspeições, artimanhas, redenções

A situação não está apenas confusa. Ela se espalha, transforma a badalada globalização numa sucessão de artimanhas e inseguranças. Sempre desconfiei da ideia de progresso. Observar evolução, numa sociedade cheia  de cartórios, é algo que não convence. Ninguém nega as conquistas tecnológicas surpreendentes.Mas a ciência está  misturada com interesses, não se foca nos benefícios, não […]

Read the rest of this entry »

Leituras de Kafka e de Kundera: encontros

Li livros de Kafka quando ainda estava perto dos meus 20 anos. Foi uma época de grande movimentação e inquietudes. Sempre gostei de literatura e não abandonei meus espaços prediletos de imaginação. O mundo se apresenta de muitas maneiras de acordo como os olhares de cada um. Não negamos as multiplicidades e nem as incertezas. […]

Read the rest of this entry »

A cidade sitiada, a cidade possuída

  As cidades se formam seguindo os caminhos das histórias que a sociedade humana vive. Elas estreitam relações, juntam diferenças, provocam multiplicidades. Mas as cidades nunca foram, de uma maneira geral, lugares de sossego. Algumas representam descontroles e violências constantes. O aumento da população motiva mudanças e consolida também hábitos tirânicos. Muita gente exige sofisticação […]

Read the rest of this entry »

O ensino da história e as travessias da vida

Faz tempo que sou professor. Desde os dezoito anos comecei a dar caminhadas no ensino e compreender a sociedade com mais sensibilidade. Quem ensina e se envolve não deixa a inquietude de lado. Há muitas desigualdades e  apatias que se estabelecem com permanência incrível. Mas é preciso não ficar na lamentação. As divindades moram no […]

Read the rest of this entry »

A cidade visível e as máquinas soberanas

As reflexões, muita vezes, me deixam confuso. Ajudam o debate, dão uma balançada na preguiça, brincam com certas ingenuidades que carregamos. Mas gosto também de sentir e a pensar conversando com o que estou vivendo, Coloco-me, então, mais próximo do outro, tomo alguns sustos e me reconheço no espelho. Dialogo com sentimentos que despertam os […]

Read the rest of this entry »

As viagens facebookianas e os afetos flutuantes

Comunicar-se com o outro faz do mundo um lugar de negociações contínuas. É uma ordem do imediato. O tempo ganha, hoje, dimensões que se coordenam com a velocidade das máquinas. As tecnologias enchem-se de novidades e satisfazem os consumidores mais permanentes. A busca pela atualização é uma constante. A resposta é dada pela quantidade  de […]

Read the rest of this entry »

Newtown: a tragédia anunciada e a violência desmedida

O susto nos tira referências. Surpreende. Quando a dimensão coletiva toma conta dos acontecimentos os balanços do coração viajam sem rumo. Novamente, Estados Unidos, na cidade de Newtown, numa escola, com crianças, a violência não se acanhou. Deixa a perplexidade morando na aldeia global, a incerteza dominando espaços que nos acolhem. Há paz ou sossego […]

Read the rest of this entry »