Posts Tagged ‘ambiguidade’

Julgar: o poder opressor da notícia veloz




  Vivemos contando a nossa vida e falando da vida dos outros. Há inúmeros meios de comunicação. A tecnologia abriu espaço para velocidade. Todos querem novidades. Sentem-se motivados pelas fofocas gerais. Há uma certa perversão em escutar insucessos, em curtir escândalos, em vibrar com tragédias alheias. A generosidade nunca existiu de maneira plena. Somos animais […]




Share Read the rest of this entry »

Fidel: a morte não apaga, aproxima




Toda sociedade enfrenta  confrontos e estimula diferenças. Pensar sempre a mesma coisa é melancólico. Não haveria história se as músicas repetissem e consagrassem um único ritmo. Pareço-me com os outros, mas tenho minha travessia. Não há história homogênea. As histórias se soltam e  abraçam as culturas. Sempre incompletos,  não pudemos dispensar ajudas. Fingimos segurança para […]




Share Read the rest of this entry »

Que afeto se mantém no mundo fragmentado?




  O desmanche da cultura ocidental não é tema novo. Uma visita aos pensadores do século XIX me lembra muita coisa. Nietzsche, Marx, Schopenhauer e tanto outros me mostravam a quebra de valores. O capitalismo crescia rapidamente sempre favorecendo às minorias ricas. As tradições se esfarrapavam com as aristocracias respirando com dificuldades. É claro que […]




Share Read the rest of this entry »

Almodóvar, Julieta, Ulisses: navegações




Pouco sei sobre os rigores da crítica cinematográfica. No entanto, estou sempre comentando os filmes e decifrando coisas que me tocam. Fazia tempo que não frequentava os cinemas. Não me sentia atraído. Uma fase de reflexão interior, caseira, escutando a própria voz. A existência constrói suas trilhas e temos que avistar suas pedras, planícies, paisagens […]




Share Read the rest of this entry »

Verdades e significados




Não se cubra com verdades que são sempre diferentes, desconfie dos que se dizem absolutos, celebre a passagem do tempo. Anuncie a fragilidade de quem se encanta com os significados, sem escutar o som das palavras que nega profecias. Deixe Descartes cuidar do tempo que viveu e não esqueça de escrever o seu próprio discurso […]




Share Read the rest of this entry »

Intolerâncias, história, descontrole




Seria uma melancolia incomensurável pensar o mundo adormecido numa uniformidade. Ninguém pode negar que há muitas divergências, choques, inimizades, desafetos. O difícil é vivê-los. A escolha da violência como solução é um engano cruel. Apesar dos inúmeros conflitos, a solidariedade ainda resiste e faz a história caminhar. Há uma pedagogia social que não busca experiências […]




Share Read the rest of this entry »

A nudez das lembranças, o absurdo persistente




Lembranças fragmentadas. Poder-se-ia pensar a vida sem a imaginação das lembranças? Elas se apresentam sempre repartidas, com rapidez, parecendo luzes de relâmpagos? A vida por inteiro é um sonho. Não há como juntar todas as cenas, escrever um enredo monumental e sair buscando as alegrias e apagando os desprezos. Para quem habita no território da […]




Share Read the rest of this entry »

O mundo da renúncia, da possibilidade, dos descuidos




Enfrentar a velocidade das mudanças é um desafio. Os valores estão quebrando-se e a sociedade não consegue saber quais os caminhos que estão desfeitos. Acha que o consumo salva, embora haja desconfianças e insatisfações. No entanto, a confusão não retira o desejo de seguir adiante. Renunciar aos encantos das tecnologias é incomum. As profecias não […]




Share Read the rest of this entry »

Ambiguidades, narrativas, trapézios




Há sempre sonhos. Compor a sinfonia da vida com aridez constante é esconder o ânimo. O mundo não se completa, está cultivando adversidades assustadoras. Quem pensava que a tecnologia salvaria a sociedade viveu uma ilusão incômoda. As comunicações espalham notícias de várias partes, mostram a confusão cotidiana e dificuldades de aproximar projetos. As tensões não […]




Share Read the rest of this entry »

Hannah: as massas na história e as ruínas acumuladas




Muitas vezes, tem-se a sensação de que nada se perdeu.O mundo está intacto. Há, apenas, simulacros, ornamentos, mas os abismos são os mesmos e as máscaras ocupam lugares centrais. No entanto, as ruínas estão acumuladas, disfarçadamente. Não se trata do lixo. Ele tem relação com o descartável no tempo presente. Difícil é encontrar lugar para […]




Share Read the rest of this entry »