Posts Tagged ‘ambiguidades’

A felicidade mora na minha esquina?

Caminho pela rua. Fico observando quem passa, o movimento dos carros. Sinto uma invasão de ruídos e a perplexidade de que a vida se vai. Não tem como segurar o tempo. Ele costuma aprontar. Isso não muda. Lembro-me das histórias de Ulisses, vejo alguém pedindo socorro e mais um celular solto no chão. Gritaria, suspense, […]






Share Read the rest of this entry »

A depressão e as festas virtuais: o balanço da desconfiança

Estamos envolvidos por notícias assustadoras. Não sabemos se vai aparecer alguma luz. Denúncias se multiplicam,  golpes com identidades renovadoras se afirmam. O debate é mesmo inquietante. Portanto, os ânimos assustam, pois há comportamentos fascistas e corruptos soltos ditando normas. Tudo é confuso, os julgamentos vacilam e a sociedade vive desmanche de instituições. Mas fechamos os […]






Share Read the rest of this entry »

Encruzilhadas: direita, esquerda, amarelo, vermelho, verde…

Há debates políticos que pareciam pertencer ao século passado. Quem apostava na divisão esquerda/ direita era, muitas vezes, ridicularizado. As medidas, agora, são outras. As conversas devem ser atualizadas ? O muro caiu, a Guerra Fria se despiu, a coca-cola está em toda parte, a China se veste com o capitalismo. De repente, os debates […]






Share Read the rest of this entry »

As disputas e os poderes: qual o caminho e o assombro?

A  situação da sociedade mostra que a confusão é generalizada. A falta de maiores definições sociais, a corrupção sem limites, o conflitos constantes entre as crenças assinalam que se abre um mercado cada mais amplo que traz desconfiança. Há uma aposta permanente. Prevalece a lógica da mercadoria. A minoria monopoliza e riqueza aponta que a […]






Share Read the rest of this entry »

O mundo das pedras sem sossego

As inquietudes são, muitas vezes, provocadas por fantasias que parecem ingênuas. Mas quem pode viver sem fantasias? O mundo sem sossego é o mundo de sempre, embora as diferenças existam e componham a história. Não precisa ir ao passado distante, nem se apoiar nas energias de espantos, para compreender que o movimento é constante. As […]






Share Read the rest of this entry »

O inesperado e os passeios da história

Ficar na compreensão da história limitado ao jogo das causas e consequências é promover a preguiça. Não há uma lógica determinada, um futuro traçado, mas surpresas que aliviam ou provocam agitações. A eleição, na Grécia, trouxe novidades, animou quem já decretava o fim de qualquer contraponto.No entanto, nem tudo significa mudanças. As negociações são, muitas […]






Share Read the rest of this entry »

Violências e disfarces históricos

A aceleração do ritmo da história quebra tradições, mas deixam vazios. Não se vive o presente sem se criar expectativas sobre o futuro. Ficar preso ao momento é consagrar a depressão e anular o ânimo. Mesmo que as notícias inundem o cotidiano e assustem com novidades opressoras, não há como não buscar alternativas, reivindicar, denunciar. […]






Share Read the rest of this entry »

Poder, Simulação, Controle, Violência

  Conta-se que tudo surgiu com o pecado original. Houve um descuido de Adão e Eva punido pela força da divindade. Fala-se em perdão, mas parece que o perdão tem espaço restrito . Basta observar a história para registrar que o conflito está presente em todas as épocas. Não são, apenas, as grandes guerras ou […]






Share Read the rest of this entry »

A navegação dos sentimentos: os ritmos (des)encontrados

Quem afirma que os sentimentos morreram e proclamam a objetividade total não conseguem ver a vida. Ficam encantados com a acumulação de mercadorias e fazem de tudo um grande negócio. Não querem saber de perdão, nem de nostalgias. Cultivam uma contabilidade mesquinha, habitam nos territórios dos lucros, na expansão dos narcisismos. Não pense que é […]






Share Read the rest of this entry »

A ressaca eleitoral, as violências e os fascismos

No meio das muitas euforias e frustrações, repercutem os resultados das  eleições municipais. Renovações anunciadas, institutos de pesquisas lamentando certas previsões, promessas reafirmadas por candidatos vitoriosos compõem o momento. As conversas circulam, acompanhados do temor de que as repetições não se confirmem. O novo é, muitas vezes, o disfarce de tradições conversadoras. Não dá para […]






Share Read the rest of this entry »