Posts Tagged ‘ambiguidades’

A ressaca eleitoral, as violências e os fascismos

No meio das muitas euforias e frustrações, repercutem os resultados das  eleições municipais. Renovações anunciadas, institutos de pesquisas lamentando certas previsões, promessas reafirmadas por candidatos vitoriosos compõem o momento. As conversas circulam, acompanhados do temor de que as repetições não se confirmem. O novo é, muitas vezes, o disfarce de tradições conversadoras. Não dá para […]

Read the rest of this entry »

A descontinuidade tardia e incessante

O espanto do dia contaminou as carências permanentes. Não havia sol, nem  a persistência de animações soltas. Parecia o dia de um falso juízo final escondido numa atmosfera satânica. Os olhos abertas não distinguiam nada, nem compreendiam as cores que pintavam a perplexidade. Cada um caminhava sem desenhar sonhos, nem pesadelos. A vida dialogava com […]

Read the rest of this entry »

As invenções e as astúcias na construção da cultura

Não é difícil observar as coisas repetidas. Os disfarces não conseguem enganar por muito tempo. Nem sempre a repetição é um golpe no desejo de reformular o mundo. Há muita diversidade. Ela confunde certas expectativas. Alguns pensam estar mergulhados em novas formas e dizeres, mas retomam o passado com algumas cores diferentes. A luta pela […]

Read the rest of this entry »

Há contrapontos de silêncios inesperados?

Há dias que acontece um travamento estranho e geral. Parece que se institui um silêncio interior, totalmente, incomum. Procuramos diálogos, estimulamos lembranças, afirmamos saudades, mas nada se agita. A calmaria não cede. As palavras fogem e as metáforas se acomodam. A inércia e a apatia exercem uma soberania sufocante. O pior é a perplexidade. Há […]

Read the rest of this entry »

Por onde andam Benjamin e o narrar da vida?

Juntar os cacos da história, pescar suas pérolas, navegar, como Ulisses, pelas  ambiguidades que a cultura fornece, movimenta o humano. A inquietude é uma permanência. É difícil atiçar a todos, mobilizar paixões ruidosas que quebrem as apatias e deixem fluir a imaginação. Benjamin viveu tempos de limites atordoantes. Sua amiga Hannah Arendt foi seu aconchego, para  guardar […]

Read the rest of this entry »

A cidade pede agilidade e multiplica urgências

A sociedade contemporânea concentra  destacada parte das suas energias nas cidades. O século XX deu uma velocidade impressionante às mudanças. O feitiço do urbano é grande. Mesmo com as notícias de violência, muitos migram buscando novidade e sucesso na vida. Existe crítica ao caos das metrópoles, mas nada que as deixe isoladas dos desejos da […]

Read the rest of this entry »

Fronteiras abertas, emoções vizinhas e ambíguas

A expressão aldeia global sintetiza tramas da contemporaneidade. Não é recente, vem do século passado.Sempre a trago de volta, para analisar as aventuras que nos cercam. Não posso negar que acontecem fatos no Japão, na Espanha, em São Paulo, em Paris, em Teresina, todos resultados das ações humanas. O mundo é pequeno, os desejos se […]

Read the rest of this entry »

Alguma coisa acontece no meu coração

O título do texto está na canção Sampa de Caetano Veloso. Há uma singularidade digna de um poeta que não cessa de inventar. No seu verso, Caetano fala de acontecimento, mas não no sentido de guerras ou conquistas políticas. Ele cita o coração. O mundo girando por outras trilhas, encontrando-se com o sentimento. A história ganha  territórios […]

Read the rest of this entry »

O capitalismo não caiu do céu

O fluir da globalização nos remete a tempos históricos passados. Tudo não acontece, tão de repente. Há séculos de construções cotidianas. As opiniões mudam, as reflexões se multiplicam e as ambiguidades refazem seus espaços. Por isso, o diálogo sempre desvela, nos tira da ingenuidade enganadora das astúcias dominantes. A globalização aparece como grande conquista, uma reviravolta […]

Read the rest of this entry »

A derrota é desconsolo, o futuro é o traço da lágrima

   O jogo é um dos eixos da vida. Cria possibilidades ou avança por abismos insuportáveis. Derruba otimismo e prepara insônias. O Santa Cruz estava invicto. Não segurou a onda. Perdeu para o Náutico. A derrota simboliza dúvidas e esperanças. Ambiguidades crescentes. Não só no futebol ou nos esportes, elas aparecem. Quando as vacilações se adensam, […]

Read the rest of this entry »