Posts Tagged ‘amor’

Pertencimentos: amores, paixões, consumos

  Fala-se na rapidez. Nada permanece, tudo custa segundos. Não há como se segurar, pois as tempestades invisíveis ganham o mundo. Os intelectuais se lamentam  da fugacidade dos saberes. Como compreender  tanta complexidade e ainda exigir clareza das atitudes políticas?  Vivemos a falta de transparências ou ela nunca existiu ? Não me angustio. Os exageros […]

Read the rest of this entry »

A paixão se mete pela vida

  As coisas estão embaralhadas. Não há clareza, tudo caminha para uma escuridão avassaladora. O sentimento, porém, não morre. Mesmo com todas as enganações da sociedade de consumo podemos observar certos encantamentos. Não há vida sem ilusão. Acredite que Kant era uma sonhador e Nietzsche procurava uma princesa. A loucura gosta da fantasia.A cultura sacode […]

Read the rest of this entry »

O amor maltratado:trocas programadas

    Todos se acendem com a política e as manchetes continuam provocando intrigas. Escolheram um caminho para o mundo de forma opressiva. A sociedade de consumo se afirma, quer adeptos, engana, sufoca. O outro é também uma mercadoria. Os preços explodem como vulcão solto. Tudo se resume a um interesse. Há quem se salve, […]

Read the rest of this entry »

A literatura: o amor estica o mundo e canta as sereias

    Há muitos excessos no mundo. Os gregos debatiam sobre o equilíbrio. Nada de exageros, a saída é buscar harmonias. Mas na vida tudo concorre para surpresas. Geometrias fixas não existem nem que Platão as idealize. É difícil definir a história, Lamentar as dores, brincar com o inesperado, sacudir as esperanças. Há muito o […]

Read the rest of this entry »

As aventuras e os amores

Desenhe os caminhos escondidos da vida, não trema, nem vacile, medite com ânimo. Siga o caminho com mais curvas, evite a reta, o sentimento despojado. Ande sem temer o fantasma do eterno, deixe os anjos levitarem anônimos. O amor não se encontra na esquina, nem se faz na solidão do banco da praça. O amor […]

Read the rest of this entry »

Bauman: a vida se dissolve e desencanta

  O tempo não tem pertencimento. Não há lágrimas que o convença a mudar sua rota. Talvez, nem ele a conheça. Vamos caminhando, de repente um abismo e tudo se finda. Difícil pensar a história, quando a abraça o desejo incontrolável. Morreu Bauman que tinha uma sensatez imensa e criticava o mundo capitalista com intensidade. […]

Read the rest of this entry »

A esquina e a vida, os amores e os gritos

Encontrei a vida numa esquina abandonada. Lembrei-me da noite triste e de um pesadelo longo. Desenhei o tempo, senti lonjura, fechei os olhos ardentes. Vi que nunca sou o mesmo e o afeto me abraça quando tenho medo. Há amores desfeitos nos gritos históricos e ocupações tardias que anunciam espaços inesperados e redefinidos. O mundo […]

Read the rest of this entry »

A invenção do corpo

Não toque no corpo com se fosse um estranho, mas como um marinheiro que não tem medo de mares. Sinta que a química do coração não é simples, joga travessuras e refaz surpresas antigas. Não pense que a aventura não tem instantes amargos, e deixe os desprazeres no berço da nostalgia. Habite a moradia que […]

Read the rest of this entry »

Não compreenda o amor

Gosto de pensar sobre o impossível. Está tudo tão confuso que não adianta buscar esclarecimentos. A justiça se contradiz, Temer telefona para Faustão, as notícias e a credibilidade estão ameaçadas. As sociedades humanas vivem lutos e lutas. Não há sossego, mas uma sucessão de guerras e violências. Nos Estados Unidos, o racismo continua e as tensões […]

Read the rest of this entry »

O amor e o corpo: vida

Se o amor estranha o movimento do corpo, o afeto se desfaz e os fragmentos se encolhem nervosos. A rapidez da vida está na gravidez do sonho impossível. O desejo esconde o infinito anônimo, a singularidade das estrelas solitárias. Não deixe que o amor risque o impossível, compreenda-se e fuja, nem que as travessias sejam […]

Read the rest of this entry »