Posts Tagged ‘amor’

Os amores anônimos (Reflexões !)

O amor está em toda parte, com adjetivos diversos, suspeitos. Ele se transforma , narra histórias de sombras e luzes. Confunde-se com a paixão, acelera o tempo, inventa desenganos, ver a vida correr ,cercada de sentimentos, sempre inquieta, sem o manto do sossego. O amor sofre com a pressa do individualismo, com as curtições descartáveis. […]

Read the rest of this entry »

Amores serenos, paixões delirantes, histórias soltas

A afetividade não deixa de ser um registro que me toca. Fico perplexo quando ouço pessoas desprezando-a,  afirmando que se trata de um assunto sem ressonância entre as coisas chamadas sérias. O que seria a vida sem a aproximação dos outros, sem o olhar apaixonado, sem a cabeça no colo? Há tantos exemplos que esgotariam […]

Read the rest of this entry »

Amores vadios e anônimos

                                                               Não ame o corpo que não tem nome.                                      Goste do cheiro, do toque, do que não se esconde.                                      Cada ritmo respira o feitiço do momento,                                      nunca é naufrágio, mas oceano aberto.                                      O amor é o tudo ou o nada, não precisa de fronteiras.                                      Ame solto […]

Read the rest of this entry »

O amor flutua ou se desfaz como uma ruína?

Na sociedade das trocas intensas, das celebrações datadas, o amor pede e perde fôlego. O romantismo não consegue atrair tanto. Não morreu. Mobiliza sentimentos, entra nos corações, faz seus estragos. O mundo muda não só nas gestões econômicas. É que elas geram um noticiário objetivo, cheio de análises complexas que nem sempre dão certo. As especulações  […]

Read the rest of this entry »

As máscaras da vida inteira

                                      Não jogue  as máscaras na gaveta mais antiga.                                     Engane-se com as verdades e desfaça seu carnaval.                                     A memória possui todos os esquecimentos e ousadias.                                     Deixe que o tempo silencie sua dor e seu lamento.                                     Existe um sorriso escondido no sonho recusado                                     E um amor futuro sentado no […]

Read the rest of this entry »

Os Descendentes: amores amargos e confusos

O tempo não tem certificado de garantia. Há perdas que são percebidas na longa duração. Por isso, é fundamental observar o significado de cada sentimento, não esperar que ele se perpetue. Não há gratuidade, pedaços do céu caindo na varanda iluminada. A construção da vida se faz com cores variadas que, nem sempre, admitem formas ortodoxas e exigem […]

Read the rest of this entry »

Frida Kahlo: amor e paixão

                                             Não desconfie do último suspiro,                                             nem do beijo que  tem perfume.                                             O amor não inverte a paixão, mas pede                                             sossego, serena  o  calor do coração.                                              Na cartografia do teu corpo moram                                              os desenhos dos sentimentos sem nome.                                              Deixe a razão navegar nas turbulências                                               inesperadas.                                               Ilumine o cais e estique a preguiça […]

Read the rest of this entry »

O amor virtual e anônimo das redes sociais

Você acredita no amor? Acha que a sociedade está muito utilitária, repleta de ambições e desacertos? Há possibilidades de afeto num mundo competitivo e com tanta impessoalidade nas relações? A saída é buscar o recolhimento e cultivar a solidão das moradias vazias? Não precisa  responder tudo. Pense, a reflexão tira a ferrugem do conformismo e traz […]

Read the rest of this entry »

Museu da Inocência: Pamuk, narrativas, amores

              Pamuk escreve romances extensos, fascinado pelo toque das palavras e pelo labirinto das tramas. Sua imaginação tem fôlego que nega qualquer medida comum. Lembra um detetive envolvido nos detalhes, disposto a resolver uma investigação, mas sempre formulando questões que se prolongam. Pamuk não se cansa. Enreda-se. Conversa com o mundo, sem aumentar a voz, preferindo […]

Read the rest of this entry »

Martha e Freud: promessas amorosas e expectativas

Freud é polêmico. Ainda resta sobre ele muitos mistérios, alguns fermentados pelos seus críticos e oponentes mais severos. A revista Cult, de setembro, publicou um dossiê sobre suas relações amorosas com Martha. São cartas que estão sendo publicadas na Alemanha. É interessante para conhecer amores pronunciados, mas pensar também sobre aquele tempo tão diferente do pragmatismo […]

Read the rest of this entry »