Posts Tagged ‘amor’

A solidão não está na gaveta do quarto escuro

As multidões conduzem a história ou são conduzidas pelas artimanhas políticas? É uma questão que não sai da contemporaneidade. A população cresceu, exigindo novos modos de conviver e se relacionar com as armadilhas da existência. A aceleração é grande e  o instante da reflexão é curto. Longe estamos da época de Descartes ou dos banquetes […]

Read the rest of this entry »

Os paradoxos amorosos, as controvérsias afetivas

Pascal Bruckner, escritor francês, é um autor que foge do lugar-comum. Gosta de analisar assuntos atuais, sem euforias, mostrando os limites do humano. Não lamenta as incompletudes, nem o trágico que cerca a vida. O seu livro O Paradoxo Amoroso traz análises renovadoras sobre as experiências afetivas e os impasses atuais. Pascal não isola seus […]

Read the rest of this entry »

Não esconda o amor no silêncio do coração

  O amor só tem sentido se recíproco, mas a reciprocidade não significa igualdade. Trata-se de uma reciprocidade na diferença, como o homem é diferente da mulher, o velho do jovem, o mestre do aprendiz, etc. Cada um ama sendo si mesmo e realizando-se. Cada um dá e recebe, o que dá é diferente do que recebe […]

Read the rest of this entry »

A saudade não tem tempo definido e seguro

Dizem que é bom guardar a saudade escondida no coração. Não se importar com as inquietações. O certo é entender que ela flutua. Seria impossível inventar um calendário fixo, objetivo, para aprisionar as inconstâncias da saudade. Ela adora um tapete mágico e contos de fada. Pertence ao território da imaginação. Traz sofrimentos, porém não poupa […]

Read the rest of this entry »

O último tango, o último ritual do (des)amor

Piazzolla é um revolucionário. Conseguiu abalar tradições consideradas inexpugnáveis. Mudou a forma do tango, contrariando muitos intelectuais e tirando o fôlego dos saudosistas. No entanto, Piazzolla consagrou-se, depois de muitas críticas. Viajou, aprendeu, ousou. Tinha coragem e força na criação. Conhecia bem o jazz, a música erudita e tinha profundas afeições pelos compositores brasileiros. Hoje, […]

Read the rest of this entry »

Tudo se inventa no mundo do consumo e da fantasia

Ninguém vive sem comemorações. Se os dias fossem todos iguais onde ficaria a animação que se desfaz das melancolias e dos desencontros ? Os rituais festivos fazem parte  da construção da sociabilidade. Não é invenção recente, nem elaboração dos produtores da modernidade. Mesmo a sociedade, sem a complexidade da industrialização e do comércio, busca celebrações, admiram  feitos […]

Read the rest of this entry »

O amor é astucioso e múltiplo, sem eternidades

  Psique amou Eros. Não foi fácil. Muito encantamento, mas invejas e disputas atrapalhando o fluir da aventura. Psique sofreu. Pagou pela sua curiosidade, como descreve Ésquilo, e correu em busca de sossego. Sua história, ainda, hoje é lembrada. Freud que o diga. Nada na vida passa sem inquietações. Não confie no silêncio permanente. Ele […]

Read the rest of this entry »

O amor é sorte ou escolha sutil dos deuses?

           José e Pilar é um filme de uma ternura e uma sensibilidade pouco comuns. Embora de qualidade exemplar, não teve chances de maior divulgação. É um documentário, com imagens belas e sequências comoventes. José é o famoso Saramago, escritor português de fôlego admirável. Pilar, espanhola, a paixão, ativa nos cuidados e ágil no raciocínio. Conheceram-se nas […]

Read the rest of this entry »

O corpo e a paixão anunciam transgressões

  Corpo quente é sinal de paixão. Então, desoriente-se. Ela não tem regras. Corre e volta sem avisar. É lúdica e amiga das grandes sensações. Nem Descartes consegue sentir a extensão de suas armadilhas. Não se prepare para viver uma paixão. Ela não é invisível, presa no território do sonho. Ela quer perfume e não espíritos […]

Read the rest of this entry »