Posts Tagged ‘amores’

Apocalipse desejado

Há na certeza do azul um horizonte que não magoa, uma história que não tem medo do perdão. Não é possível adivinhar o tamanho da sorte, nem se intrigar com o brilho das estrelas. Os amores cedem quando desmancham sonhos, se esfumaçam quando se fixam num espelho. Não pense na ultima forma do mundo, conte […]






Share Read the rest of this entry »

Amores e eternidades

Não diga que as portas estão fechadas. pois o amor não precisa de chaves. Não adianta escrever sobre a dor na parede. elas estão desbotadas e sujas. Cada instante resume o exílio do sentimento, desencanta a fantasia secreta do último perdão. Solte o grito  estranho dos corpos sofridos e tardios  para expulsar os demônios invasores. […]






Share Read the rest of this entry »

As intolerâncias tardias

Os amores se jogam na sorte que o acaso constrói, se estendem pelas estradas que estão cheias de pedras. Acredite na história inacabada e no desejo aceso e inquieto, ouça os silêncios apaixonantes e os ruídos assombrosos. A escrita de cada  tempo borda o voo inesperado, recria os mitos que deixaram os humanos alucinados. Coloque o ponto […]






Share Read the rest of this entry »

Milan Kundera: imaginando a vida e o amor

Kundera é autor conhecido. Quem nunca o leu? Possui escritos admiráveis, coloca-se politicamente, sacode tradições e questiona os caminhos da vida. Recentemente, fiz uma viagem no seu livro A Identidade. Momentos de aventuras, reflexões, fantasias. Suas histórias impressionam, seguem abismos e desertos, surpreendem, inventam outras interdições. São parcerias com a multiplicidades que nos cerca. Estamos […]






Share Read the rest of this entry »

Amores sem nomes

    Não é amor o sentimento que se perdeu num território sem nome. A vida precisa de narrativas, de dúvidas, de geometrias travessas para compor suas histórias e redefinir seus espaços. Não há gramáticas de palavras sem sentido e desfiguradas, cada momento desenha linguagens que moram na memória. Não pense que o tempo se desmancha […]






Share Read the rest of this entry »

As escolhas e o efêmero

Os amores costuram os tempos e multiplicam os segredos. Os sentimentos não descansam e correm além das fronteiras. Não se desapegue das histórias que apenas trazem fantasias, a vida não se resume a desenhos exatos e lineares. Há nas palavras inventadas significados e ânimos, o caos é sinal de que mudança não se esgota, as […]






Share Read the rest of this entry »

Os amores vividos

Cada tempo tece suas armaduras com fios inventados no fluir da vida. Não há determinações esgotadas, nem tampouco desejos abandonados, as memórias misturam segredos, arquitetam esconderijos, desenham saudades. Os afetos atravessam minutos, mas podem fingir que conhecem eternidades. Cada vestígio do passado é uma história entrelaçada com espelhos que se renovam e o amor não […]






Share Read the rest of this entry »

Eros e Psique: mitos, lembranças, aprendizagens

As celebrações vestem-se de todas as cores. Somos animais sociais, mas traçamos cartografias desiguais. Vivemos com valores que flutuam. Não podemos afirmar que o futuro será exitoso ou que cairemos em frustrações fatais. As coisas se balançam e a instabilidade não cede. Há momentos de mais no sossego, porém fixar destinos é impossível. Mesmo quem […]






Share Read the rest of this entry »

Dos amores possíveis no mundo da velocidade

                 A vida requer convivências. É preciso compartilhar. Sem isso, as sociabilidades se fragilizam, o descrédito no outro se concretiza. Dividir é o verbo da vez. Difícil é conjugá-lo, na sociedade de consumo, mas não custa tentar. Cuidado para não ser vítima de uma invasão de isolamento e ter de buscar ajuda no malabarismo do Prozac. Se […]






Share Read the rest of this entry »