Posts Tagged ‘autoritarismo’

Você conhece as andanças do Jair?

      A eleição presidencial ganhou um campo de atitudes inusitadas. A agressividade está nas ruas. As cores são punidas com reações amedrontadoras. Jair estimulou um discurso nada saudável. Soltou o verbo com se estivesse livre de qualquer punição. Tem apoio e se alarga nas suas ameaças. Sofreu uma facada que estimulou polêmicas. Está […]

Read the rest of this entry »

Memórias políticas, redefinições históricas

Lembro-me de março de 1964. Era ainda muito pequeno para compreender o buraco que estava se abrindo. Mas observava frustrações, vinganças, desejos de manipulação, violências. A sociedade dividida, as radicalidades minando as negociações. Havia perplexidades e, como sempre, ideias salvacionistas. Muitos falavam em uma revolução que transformaria o Brasil. Foi um movimento múltiplo e não […]

Read the rest of this entry »

Os vestígios fascistas não calam seus ruídos

O  mundo se revira. Ontem a festa, depois a ressaca, a busca de trilhas de alegria que renovem a flutuação da vida. Muita coisa acontecendo, fica difícil sintonizar as informações. A complexidade interfere nas escolhas, dá aquele vacilo no coração, mas estamos na vida. As notícias correm, trazem vestígios do passado. A Europa não se […]

Read the rest of this entry »

As histórias dos enganos e das tensões constantes

A euforia precipita. Não há regras fixas para os acontecimentos históricos. Muitas revoluções caíram num autoritarismo constante. Perderam suas utopias iniciais e referendaram, cinicamente, o passado. Consagravam o jogo maquiavélico do poder. Não precisa de profundidade. Observe o que fez a burguesia no século XVIII e XIX. Não sacode fora os cenários napoleônicos, as ambições […]

Read the rest of this entry »

As rebeldias uspianas e os sinais da história

As notícias sobre as ações estudantis na USP se fizeram presentes na imprensa, como muitas controvérsias. Não estamos nos anos da ditadura militar e nem no meio dos acontecimentos de 1968.  Naquela época, o mundo fervia nas buscas e nas negações. Havia outra política, outras rebeldias. As lutas estudantis se integravam no combate aos incômodos do capitalismo. Protestavam contra a burocracia e o crescimento do […]

Read the rest of this entry »

Memórias inquietas: o golpe político-militar de 1964

Quando tinha quase 12 anos, em março de 1964, se deu o golpe político-militar que derrubou o governo de João Goulart. Pregava-se o fim do perigo comunista que assombrava grupos sociais significativos. Queriam ordem e nacionalismo, nada de aventuras trabalhistas e sindicais. Houve reações, mas muita gente simpatizou com o ato. Não gostei. Fiquei desconfiado, […]

Read the rest of this entry »

As armações de Teixeira e o espetáculo da leveza

Os assuntos ganham as conversas cotidianas, quando tocam no sentimento da maioria. Há coisa que perturbam e intrigam. Outras trazem divertimento, soltura e alegria. Nem sempre existe o que comemorar. As violências se ampliam e surpreendem. Desmontam-se valores e a sociedade vacila.  Contudo, quem gosta de futebol ficou deslumbrado com o jogo Flamengo x Santos, […]

Read the rest of this entry »

Os ditadores: delírios, desamparos, solidão

O tempo passa, mas os governos não ganham a forma das muitas utopias sonhadas. Elas servem para inquietar e promover rebeldias. Denunciam desmantelos frequentes. Trazem reflexões que incomodam os dominantes. A socialização do poder é um desafio. Nem as revoluções contemporâneas conseguiram ultrapassar certas práticas do passado e tivemos várias experiências totalitárias em pleno século […]

Read the rest of this entry »