Posts Tagged ‘Capitalismo’

Quem inventa a democracia e a utopia?

    Já disse, muitas vezes, que a utopia é fundamental. Não significa que teremos, sem dúvida, um mundo a partir de convivências  saudáveis. A utopia ajuda a procurar saídas e aumentar a reflexão. As dissonâncias existem, trazem conflitos, mas como não observá-las e focar no diálogo? Portanto, não podemos nos reduzir ao que o […]

Read the rest of this entry »

Os lugares de Marx e o mundo partido

A possibilidade das releituras traz renovação do fôlego. Os tempos mudam ou redefinem valores. É preciso atenção para não congelar julgamentos. A história corre, possui suas permanências e tradições, porém não há sentido que a determine para sempre. Tudo pode provocar instabilidades. As verdades se desmancham, o sólido se torna líquido e a perplexidade comanda […]

Read the rest of this entry »

Facebook, comportamentos, máquinas

  Estou no face, curtindo convivências e encontrando dimensões diferentes dos meus tempos passados. Os limites eram grandes. O telefone e a televisão faziam o costurar do cotidiano, além das conversas pessoais. Seria impossível imaginar que a sociedade ganharia outro ritmo sob o comando das máquinas imperiosas. Surgem dificuldades, exige-se rapidez e se desprezam experiências. […]

Read the rest of this entry »

Culpa e perdão, história e violência

  A prática da violência não abandona a história. Ela se sofistica ou mantém ódios tradicionais. É difícil reunir notícias sem que a violência não ganhe lugar de destaque. Inventam-se regras, firmam-se acordos diplomáticos, denunciam-se políticas. Parece que as alternativas de impor limites não conseguem dar conta dos conflitos que se espalham pelo cotidiano. Existiram […]

Read the rest of this entry »

A cidade tem afetos e pertencimentos

  Há uma busca pela acumulação de grana que desfaz a história e inquieta. Não há transparência e existem  articulações frequentes de projetos individualistas com o poder público. As promessas são muitas e almejam significar compromissos para construção do novo. A velha questão da modernidade volta ao debate e as máscaras do progresso disfarçam discursos. […]

Read the rest of this entry »

As múltiplas máscaras e as (des)aventuras da violência

  Não é possível observar o cotidiano e deixar de ver os instantes comuns da violência. Ela se repete e segue construindo histórias de quem a adota e a propaga. Não se trata de um mito, mas é frequente ouvir narrativas que nos fazem desconfiar de certas sociabilidades. Há intenções de eliminar o outro ou […]

Read the rest of this entry »

Quem (se) educa na sociedade do espetáculo capitalista?

Tudo tem um preço. É uma máxima ouvida em cada esquina. A gratuidade é coisa do passado. Pertence a tradições já carcomidas pela volúpia das novidades. Mas importam , ainda, as simulações. Ninguém quer se desfazer das bondades. Os generosos andam com discursos bem articulados, exaltando perdões e prometendo mundo de igualdade. Não esqueça que […]

Read the rest of this entry »

Identidades diluídas: a cultura da velocidade e do mercado

  A chegada do fim de semana recebe, ainda, saudações. O  anúncio da sexta-feira já altera o ritmo das expectativas. Imagine se houvesse um feriado radicalmente universal com a preguiça se esticando por todas as esquinas. O elogio ao trabalho existe e não é pouco. Há gente que não suporta o prazer de ficar contando […]

Read the rest of this entry »

A grana ornamenta as armas e agita o mundo

  A violência não se esgota na forma como a sociedade se organiza para a exploração. Havia esperança de que as mudanças trazidas pela modernidade estimulassem sociabilidades generosas e desativassem conflitos. Nem tudo está perdido, mas as desigualdades correm soltas. O medo é permanente e se intromete pelos centros urbanos. Há perigos que se expandem […]

Read the rest of this entry »

O Brasil, o capitalismo, as inquietudes, os movimentos

    A tensão produz violência, a violência produz tensão. É difícil desenhar um fio que resolva as arquiteturas dos impasses. Mas existe uma atmosfera nada quieta que se espalha. Ela não é uniforme. Há quem não se envolva com os desacertos e nem queira mostrar insatisfações. As divergências consolidam-se, pois a sociedade é complexa […]

Read the rest of this entry »