Posts Tagged ‘cidade’

O poeta Drummond salva o cotidiano

  Os anos chegam trazendo tradições e expectativas. Todos estavam cansados de 2016. Muito peso nas corrupções, no cinismo político, nas jogadas da mídia. Temos crenças em calendários, cultivamos a ideia de um ano, de vida nova. Faz parte das ilusões dispersas. A violência não se foi, não promete partir. É um ponto marcante da […]






Share Read the rest of this entry »

Ocupe e desocupe: o coletivo e a cidade

As jogadas do poder são imensas e conseguem se articular com uma rede de lucros quase invisível. Entra a política, os acordos, os escândalos. Quem são os culpados? O capitalismo pode viver sem a desigualdade? A crítica não pode silenciar. a minoria controla, vende, se espalha pelo mundo. Não existe, porém, um mundo que tenha […]






Share Read the rest of this entry »

A cidade: ocupe e ame ou ame e ocupe?

Estamos cercados por instituições por todos os lados. Fazem parte da construção da história. São invenções contínuas, com permanências e descontinuidades surpreendentes. Não há como viver as sociabilidades sem regras e negociações. Quem pode celebrar a falta de limites como uma conquista? As utopias conversam sobre prazeres, mas não deixam de assinalar que há o […]

Share Read the rest of this entry »

A cidade: inquietudes e ocupações

A cidade aumenta seu espaço de importância política. É a nossa grande moradia. Não se organiza, nos pontos mais cruciais, e se perde nas especulações. Seus territórios valem contabilidades secretas e negociações que concentram riquezas. A cidade se torna mercadoria valiosa, vitrine de coisas ambicionadas para multiplicar a centralização e inibir a solidariedade. Caminhamos pelas […]






Share Read the rest of this entry »

A cidade sitiada, a cidade possuída

  As cidades se formam seguindo os caminhos das histórias que a sociedade humana vive. Elas estreitam relações, juntam diferenças, provocam multiplicidades. Mas as cidades nunca foram, de uma maneira geral, lugares de sossego. Algumas representam descontroles e violências constantes. O aumento da população motiva mudanças e consolida também hábitos tirânicos. Muita gente exige sofisticação […]






Share Read the rest of this entry »

Italo Calvino: ocupe a cidade (in)visível

A lembrança do livro de Italo Calvino sobre as cidades sempre aparece. A beleza das imagens e da escrita não nega a paixão. Não há como esquecer a leveza e o encanto. Nosso tempo está vivendo grande debates sobre a questão urbana. O  olhar mágico de Calvino nos ensinar a ampliar as observações e não […]






Share Read the rest of this entry »

Ocupe Estelita: sonhos, dissonâncias, políticas

  As transformações existem para que a história se movimente. Elas possuem acasos, mas estão também ligadas ao agir das pessoas. É preciso que as permanências não sejam perenes. O novo deve afirmar conteúdos solidários e não ser apenas uma ordem ornamentada pelos dominantes. Há pessimismos que intimidam, no entanto as surpresas sacodem sonhos, retomam […]






Share Read the rest of this entry »

A cidade tem afetos e pertencimentos

  Há uma busca pela acumulação de grana que desfaz a história e inquieta. Não há transparência e existem  articulações frequentes de projetos individualistas com o poder público. As promessas são muitas e almejam significar compromissos para construção do novo. A velha questão da modernidade volta ao debate e as máscaras do progresso disfarçam discursos. […]






Share Read the rest of this entry »

A cidade visível e as máquinas soberanas

As reflexões, muita vezes, me deixam confuso. Ajudam o debate, dão uma balançada na preguiça, brincam com certas ingenuidades que carregamos. Mas gosto também de sentir e a pensar conversando com o que estou vivendo, Coloco-me, então, mais próximo do outro, tomo alguns sustos e me reconheço no espelho. Dialogo com sentimentos que despertam os […]






Share Read the rest of this entry »

Batman é o guardião da sua cidade?

Imaginar aventuras é muito diferente de vivê-las. Há perigos que nem todos gostam. O medo da instabilidade e da surpresa deixa um suspense. Melhor, para muitos, é ficar de olho na TV ou no cinema e mergulhar nas fantasias alheias. A diversão faz parte da vida, tem seu preço, não há como negar seus encantos. […]






Share Read the rest of this entry »