Posts Tagged ‘cinismo’

A política: lugar de desgoverno sem fim?




A confusão se amplia. Muito choro, muitas velas. Não há como ser ausente às tantas idas e vindas da história. Existe quem exija objetividade e segue mandamentos cartesianos. A justiça se torna a letra exata, ditada pelas inteligências supremas. Desconfio. O que menos sobrevive é a certeza. A sociedade está dividida e repleta de análises […]




Share Read the rest of this entry »

Os deuses e os anjos: desejos, dúvidas, crenças




Não tenho intimidade com os deuses. Olho as crenças de longe. Respeito quem crê, mas suspeito bastante do caráter de quem finge crer. Sou partidário de uma história indefinida. Não sei quem é a criatura, nem quem é o criador. Os deuses existem para preencher nossos vazios, estimular obediências, exaltar o sagrado. Sou ético, solidário, […]




Share Read the rest of this entry »

Espiar a história, sentir o mundo, escutar o tempo




  Os ruídos são muitos. Não há silêncio, só vozes ou buzinas de carros. A televisão ajuda na diversão ou na apatia. Parece que as saídas foram bloqueadas e as armadilhas enchem cada rua. Não sei se vale questionar tudo, cruzar feitiços e acreditar em evangélicos com verdades milionárias e honestidades mascaradas? Eles povoam as […]




Share Read the rest of this entry »

O silêncio dos deuses, a apatia dos homens, a salvação ilusória




Quem assistiu ao último filme de Martin Scorsese sentiu que o silêncio pode frustrar e a verdade não é propriedade de uma única cultura. As colonizações foram e são cruéis. Em nome de Deus se procurou firmar crenças e se encontrar paraísos. A multiplicidade do sentimento culpa derruba sonhos. Ela acompanha a história mesmo que […]




Share Read the rest of this entry »

Rosa Luxemburgo, política, anarquismo




  Será que estamos assumindo a barbárie ou nunca deixamos de cuidar das vinganças? Mal começou o ano, os atentados recomeçam, a violência derruba limites. Insisto que não se brinca com o desejo de intolerância. Há quem escreva procurando atiçar desencontros, culpando os outros por uma carência pessoal. Quem conhece sabe que os psicopatas não […]




Share Read the rest of this entry »

O império do cinismo e da tragédia cotidiana




    O mundo se constrói nas diferenças. As hierarquias persistem, mudam de lugares. Sinais para transformações e muita complexidade  nos inquietam. As pessoas se deslocam, conseguem furar esquemas de poder. No entanto, a sociedade mantém o ritmo, reprime. Quem parecia rebelde se deixa levar pelas arrogância de quem condenava. Continuam os fingimentos, os autoritarismos. […]




Share Read the rest of this entry »

Estamos tontos ou perdidamente cínicos?




Sou descrente com relação a muitas coisas. Fico triste, quando vejo tantos desencontros. Não vivo de ambições, já rompi com o berço esplêndido. Repito sem consternação: uma sociedade tomada pelo capitalismo se afunda afetivamente. Daí, a violência, as amargura, a inveja, o desprezo pelos outros. Sei que é um máquina poderosa e há quem admire […]




Share Read the rest of this entry »

As Olimpíadas: o jogo, a política, o humano




Bolt, Phelps, Sheila, Marta, Argentina, Croácia, China, Estados Unidos… Tudo passa, mas não sem polêmicas e travessuras, sobretudo quando a tempestade é longa. Curto, porém, os jogos desde muito tempo. Sei que é uma época de demônios e Dráculas políticos. Muita gente envolvida com corrupções, outros destilando falta de caráter, mostrando ser mensageiros do céu. […]




Share Read the rest of this entry »

Fascismo: a travessia do cinismo e da violência




  Quem inventa notícia, inventa história. Não se trata de debater sobre a verdade e a mentira. Elas estão submersas numa escuridão profunda. A sociedade luta, muda de lado, sente saudades de Marx, mas se lembra de Hitler. A violência não se vai, pois encontra abrigo na Turquia, na Síria, na França, no Brasil… A […]




Share Read the rest of this entry »

O cinismo dói: a política e o delírio




As novidades estão nos espelhos da mídia. As redes se inquietam e os julgamentos explodem. Muito sentimento escondido por detrás de argumentos ditos racionais. Eduardo Cunha renunciou. Configurou uma peça teatral de lágrimas, onisciência, cinismo. Não sou psicanalista, mas penso que os políticos estão no limite da falta de vergonha e longe de qualquer princípio […]




Share Read the rest of this entry »