Posts Tagged ‘criação’

Octavio Paz: a palavra é nua

  Num país em que o presidente sofre pressões inusitadas, os políticos são denunciados, o cinismo ganha corpo no cotidiano, a negligência assume lugar de destaque ficamos tontos com os sensacionalismos contínuos. As dificuldades financeiras da imprensa tornam os escândalos o cerne do noticiário. Fermenta-se um jogo infernal de poderes malditos. As controvérsias se multiplicam […]






Share Read the rest of this entry »

Os bordados do mundo, os conselhos dispersos

     Não estique o afeto que existe no encanto do acaso. Deixe o desenho do abismo no espelho abandonado de um cinema de subúrbio. Rasgue o retrato da última e descabida paixão desfigurada. Rompa, então, com a memória do pecado original não resolvida. Sinta que a vida é a linha da gramática esquecida no […]






Share Read the rest of this entry »

A incerteza e a travessia do mundo

   A nudez seria a vestimenta de uma transparência impossível. Há em cada travessia  segredos que pertencem ao mundo e nada revelam do último desenho da criatura inacabada. As aventuras da vida não possuem ordens , nem espontaneidades, flutuam nas análises como um divertimento para moldar a cultura. Talvez o lúdico seja o sopro final […]






Share Read the rest of this entry »

A nomeação do mundo e da história

Se as palavras formam e desenham o mundo, a grafia dos nomes inauguram  significados e aventuras. A linguagem da cultura é a linguagem da vida, não existe mudez absoluta, nem ruídos  que desfaçam corpos desvalidos. Na cartografia do tempo, as invenções têm ritmos desiguais, não existe harmomia entre os sentimentos habitantes do desfigurado. A criação […]






Share Read the rest of this entry »

O mundos das palavras estendidas

Cortar o mundo em pedaços e aceitar a impermanência das loucuras transformam as palavras em argilas fundantes. No canto dos deuses a criação toma o lugar do sonho preguiçoso e acelera a imaginação. Quem disfarça a magia, morre na racionalidade mesquinha. As formas da vida são aconchegos transitórios sempre ameaçadas pelos anúncios de juízo final. […]






Share Read the rest of this entry »

O mundo escondido, os acordes das criações

Se a narativa do final o mundo se dissolve no tempo, não há como se afastar das lamentações e do tédio. Se na superação das tragédias cotidianas, o sonho permanece desfigurado, não há como anular os pesadelos e arriscar-se no absurdo. Os acordes das sinfonias dissonantes não são apenas espelhos da arte inacabada. Elas escutam […]






Share Read the rest of this entry »

A inútil geometria escondida

A escassez da criatura adormece a imagem que nunca está pronta, desanda a vida desbotada pela incerteza. A palavra escolhida se desencanta da saudade que desconhecia. Fica inútil a geometria escondida nas retas impecáveis dos monumentos da barbárie, nunca denunciada pela vastidão dos prantos ressignificados. O silêncio oprime a dor e o riso, não descansa […]






Share Read the rest of this entry »

Michelangelo: os sentidos da criação

Não evite o sentido, mas não acredite nele. Há muitas invenções circulando pelo mundo, Procurando pertencimentos nos paraísos anônimos. Culpe a preguiça pelos descuidos e desconcertos. Pense na geometria dos deuses e dos exilados. Acorde os mitos para que eles interpretem a vida. Share






Share Read the rest of this entry »

O dito e o não dito: a palavra instituinte e os poetas

Imaginar qual a primeira palavra que foi dita no mundo é um feito de adivinhação. Há muitas representações mágicas sobre a capacidade de cada um construir afirmações. Não se pode pensar a arquitetura da criação da vida e do cosmos sem especular sobre o poder dos poetas. Uma olhada nas mitologias revela que a gramática […]






Share Read the rest of this entry »

Os múltiplos significados de Melancolia

Richard Wagner podia ter composto a trilha sonora da criação do mundo. Seria fabulosa a dimensão dramática que daria a um espetáculo tão misterioso. Sua música densa toca no fundo do coração, provoca o ir e vir da transcendência. A beleza alimenta os sonhos que desenham figuras passageiras, mas sedutoras. É o encanto, com toda […]






Share Read the rest of this entry »