Posts Tagged ‘cultura’

A sociedade do espetáculo sofistica os disfarces

A construção da cultura se dá com diálogos que nem percebemos. Não significa que não haja conflitos ou desperdícios amargos. Os filósofos gregos lembravam a importância do equilíbrio. Não deixamos de buscá-los, mas a complexidade das ações humanas consagram dúvidas e frustrações. O mundo enche-se de incertezas no meio de verdades necessárias para manter a […]

Read the rest of this entry »

Os sinais facebookianos:intimidades reinventadas

Gosto de retomar temas que fazem parte do cotidiano. Divirto-me, mas sou atento.Observo, tiro conclusões. Uma aprendizagem que percorre minhas travessias desde cedo. Nas convivências, o mundo se enche de multiplicidades. Surgem surpresas. Registrá-las ajuda a pensar e conhecer territórios. O caso do facebook me toca. Tinha preconceitos, derrubei afirmativas e entrei nas navegações. Faço […]

Read the rest of this entry »

Complexidade e massificação: as misturas culturais

Reclamamos das desigualdades que permanecem marcando a sociedade contemporânea. Não precisa ter olho grande para observar que a divisão social termina por provocar misérias e amarguras. No entanto, não se deve esquecer que as tecnologias e os conhecimentos científicos trouxeram reflexões importantes. Não há , portanto, um movimento único. Encontramos desacertos, corrupções, desmontagens de afetos. […]

Read the rest of this entry »

Não há silêncio definitivo na aldeia global

Bento XVI não desistiu da renúncia. Nem sei se poderia desistir. Há incertezas persistentes na Igreja Católica. Ela precisaria de mudanças radicais, para recuperar a credibilidade perdida. No entanto, o jogo de poder ataca também as religiões. Fazem ruídos, relativizam crenças, disputam lucros. O envolvimento das instiutições com as aventuras do capitalismo é antiga. Não […]

Read the rest of this entry »

Cultura: conversas e políticas, ruídos e silêncios

A construção da cultura exige renúncias. Ela é escorregadia, porque alguns ganhos se confundem com perdas. No entanto, sem a cultura a história não faria suas estradas. Talvez, estivéssemos, ainda, curtindo os jogos do paraíso. Adão, Eva e a serpente, juntos, inventando travessuras, mudos, com sinais extravagantes guiando as descobertas. Rupturas existiram, precisam continuar existindo. […]

Read the rest of this entry »

Os desenhos do mundo nas esquinas das palavras

O mundo das imagens nos veste com as mais diferentes formas. É impossível fugir do assédio midiático, mesmo que a crítica nos acuda e nos tire das ingenuidades fabricadas.  As tecnologias possuem soberanias. Estão presentes nos múltiplos espaços. Ajudam na sala de aula, organizam exposições de produtos, metem-se nos discursos dos políticos. Citam seus benefícios […]

Read the rest of this entry »

Newtown: a tragédia anunciada e a violência desmedida

O susto nos tira referências. Surpreende. Quando a dimensão coletiva toma conta dos acontecimentos os balanços do coração viajam sem rumo. Novamente, Estados Unidos, na cidade de Newtown, numa escola, com crianças, a violência não se acanhou. Deixa a perplexidade morando na aldeia global, a incerteza dominando espaços que nos acolhem. Há paz ou sossego […]

Read the rest of this entry »

A (im)possível medida das histórias do humano

As ordens das finitudes parecem soberanas. Não se cogita dimensionar o eterno para além das fantasias que nos aprisionam. Construímos tudo com a sensação de que tempo via mostrar as fragilidades e desmanchar as pretensas certezas. Nem por isso, desistimos. A história fascina, sobretudo, porque lembra ousadias e atiça medos. Há conformismos, entrega aos poderes […]

Read the rest of this entry »

O mundo vasto: pessoas, objetos, sonhos

A cultura é produto de muitas rebeldias, mas também de aceitações e de conformismos. É difícil observar  seus vastos territórios. O humano é múltiplo. Há uma insistência em consagrar essa afirmação que confirma as diferenças e os choques. Na multiplicidade também há pontos de semelhança. A cultura não existiria com conflitos persistentes. O entendimento é […]

Read the rest of this entry »

Dezembro: as animações e os afetos fabricados

Tudo se inventa. Há exageros na afirmação, mas há muito fogo queimando nas fantasias. Portanto, não vamos navegar em exigências. O final do ano apronta uma agitação imensa que diz das pretensões da sociedade. Dezembro passa com ansiedades e sinais de que os objetos valem muito mais do que as pessoas no território do consumo. […]

Read the rest of this entry »